Conteúdo

Maior porta de entrada de imigrantes do País, Santos tem diversidade de nações

27 de setembro de 2019
16h 59

MARIA ESTELA GALVÃO

Final do século 19. Em franco desenvolvimento, o setor cafeeiro impulsiona o Estado de São Paulo e a cidade paulista, então a 11ª maior do Brasil, explode. Separada apenas pela Serra do Mar, Santos, com forte tendência abolicionista, acompanha esse crescimento e torna-se a principal porta de entrada de imigrantes no País. Entre dois e três milhões de pessoas, segundo o Museu da Imigração do Estado de São Paulo, entraram pelo cais santista, atraídas por novas chances de trabalho, fugindo de crises econômicas ou de políticas religiosas.

O cenário tornaria o Município uma terra de diversas nações. Africanos, alemães, árabes, espanhóis, italianos, ingleses, franceses, gregos, japoneses, portugueses formam uma verdadeira mistura de sotaques, culturas, religiões e tradições que estarão representados no 1º Festival do Imigrante, com diversas atrações entre os dias 4 e 6 de outubro, no Centro Histórico de Santos.

Considerando os fluxos migratórios antes e depois da Segunda Guerra Mundial, italianos, portugueses e espanhóis estão entre os principais imigrantes. ‘’Havia um País enorme, em crescimento, e precisando de gente para trabalhar’’, frisa o diretor-presidente da Fundação Arquivo e Memória de Santos (Fams), Sérgio Willians. Mas nem todos que passavam por Santos se estabeleciam na Cidade. “A maior parte seguia para São Paulo. Mas Santos, por ter o Porto, fez com que muitos se fixassem aqui”, explica a historiadora da Fams, Karime Moussalli.

ITÁLIA



A grande imigração de italianos começou em 1836, quando vinham atrás das plantações de café. O processo se intensificou no final do século 19 e o Museu da Imigração de São Paulo estima que, de 1887 a 1908, um milhão de pessoas, em grande parte italianos, entraram no Brasil.

Em Santos, a herança da influência italiana é vista em vários locais. A casa acastelada no Outeiro de Santa Catarina, erguida pelo médico italiano João Éboli, o Banco Italiano de Santos, exemplo da arquitetura veneziana na Rua XV de Novembro, e o prédio Itália, na Avenida Ana Costa, onde fica a Sociedade Italiana de Santos, fundada em 1887.

A prática da bocha, muito comum na Cidade, é originária da Itália, e nosso tamboréu é uma variação do tamborello italiano. Na culinária, a marca é o gosto pelas massas, risotos e pizzas. ‘’A Baixada Santista é o berço de tudo isso. Temos uma influência muito forte da comunidade’’, destaca Rodolfo Nicastro, vice-presidente da Sociedade Italiana de Santos.



PORTUGAL

 


As heranças de Portugal são diversas. De acordo com o Memorial do Imigrante, cerca de um milhão de portugueses cruzaram o oceano até a década de 1960. Segundo o historiador Luiz Henrique Portela Faria, proporcionalmente, Santos tem a maior colônia de portugueses do País. ‘’Muitos imigrantes eram abastados e vieram para investir capital’’.

É o caso do português Mathias Casimiro Alberto da Costa, casado com Anna Costa (que deu nome a uma das principais avenidas de Santos). Ele batizou um dos bairros mais importantes da Cidade, a Vila Mathias, abriu a Avenida Ana Costa e implantou o primeiro bonde seguindo do Centro para a praia.

‘’Foi na Vila Mathias que nasceu a comunidade fadista’’, afirma Faria, destacando entre as heranças arquitetônicas o imóvel do Centro Português (raro exemplar de estilo neomanuelino fora de Portugal), da Casa da Madeira e da Sociedade Portuguesa de Beneficência (projeto neocolonial do português Ricardo Severo). Com forte aptidão para o comércio, os portugueses se espalharam pela Cidade abrindo inúmeros estabelecimentos como mercearias e bares.

 


ESPANHA



Por volta de 1880, os tempos difíceis da Europa trouxeram muitos espanhóis ao Brasil para trabalhar na agricultura. Em 1895, surge em Santos o Centro Espanhol, importante referência para a comunidade na Avenida Ana Costa, 286. ''Ele é reconhecido pelo governo da Espanha porque representa uma forte referência para a colônia’’, destaca Ana Maria Torres Alvarez, diretora da biblioteca e da escola de língua da instituição.
Segundo ela, há uma estimativa de que cerca de 16 mil espanhóis e descendentes vivam na Baixada Santista. A colônia está presente no comércio, na pesca, construção, bares e restaurantes.
Sem contar que Santos tem ruas com nomes de personagens ilustres da Espanha, como José Caballero, dono de uma casa de banhos no Centro em 1876, e que hoje batiza a rua do Gonzaga.


ALEMANHA



Cerca de 260 mil alemães desembarcaram no Brasil entre 1824 a 1972. Em Santos, começaram a chegar em 1827. ‘’Foram os primeiros imigrantes do Estado de São Paulo, que vieram para colonizar o sul do País. Muitos eram comissários de café e vinham até com maquinários’’, explica Sérgio Willians.

A relação entre Santos e Alemanha é marcada pela saga do navio Windhuck, a mais moderna embarcação germânica dos anos 1930. Quando Adolph Hitler invadiu a Polônia, em 1939, o comandante interrompeu o cruzeiro pela África para refugiar-se na América do Sul, aportando em Santos com 120 tripulantes. Muitos se radicaram por aqui e transformaram-se em cozinheiros. Um deles, Karl-Heinz Misfeld, fundou o Bar Heinz em 1960, até hoje referência na Rua Lincoln Feliciano, 104, Boqueirão.

Outras curiosidades: é do arquiteto alemão Maximilian Emil Hehl o projeto da Catedral da Cidade. E a Igreja Evangélica Luterana, na Avenida Francisco Glicério, 626, foi fundada em 1935, tendo ao lado a Missão Alemã aos Marinheiros, onde os marinheiros alemães encontravam um ambiente acolhedor para horas de lazer na Cidade.



FRANÇA



Estima-se que cerca de 100 mil franceses imigraram para o Brasil entre 1850 e 1965. São Paulo, nos idos de 1920, concentrava a maior parte, e Santos recebeu uma boa quantidade.

Uma das maiores referências é a Aliança Francesa, na Rua Rio Grande do Norte, 98, na Pompeia. A instituição foi fundada em Paris, em 1883. ‘’Temos muitos franco-brasileiros e somos um ponto de apoio importante para a comunidade. Ao ensinar o idioma, ajudamos não só a difundir a língua, mas um pouco da cultura e dos hábitos franceses’’, afirma Maria de Lourdes Beco, diretora da unidade santista.

Como parte do legado, Lourdes destaca a influência arquitetônica, vista no Salão Nobre Esmeraldo Tarquínio, na Prefeitura de Santos, no imóvel dos Correios, no Centro, e na Igreja do Embaré. ‘’Temos também dois colégios fundados por irmandades francesas, o Stella Maris e o São José’’. Sem contar a sala de cinema da Vila Criativa da Vila Progresso, que leva o nome do ator, cinéfilo, militante intelectual e fundador do primeiro cineclube do Brasil, Maurice Légeard.



REINO UNIDO

 

Registros apontam a chegada de ingleses ao Brasil antes mesmo da Família Real Portuguesa, em 1808. A maior presença deles em Santos é notada na primeira metade do século 20. ''A influência britânica na Independência foi marcante antes e depois de 1822. O primeiro jornal que entrou em circulação no Brasil, o Correio Braziliense, era impresso em Londres'', conta o reverendo Leandro Antunes Campos, da Igreja Anglicana de Santos.

A presença inglesa na região pode ser ainda percebida na arquitetura, como no caso da Estação Valongo,que é uma réplica em menor escala da Victoria Station, em Londres.

A Igreja Anglicana, no José Menino, foi fundada há 101 anos, e é onde o reverendo celebra em inglês missa para os ingleses e descendentes. Outro exemplo é o Clube dos Ingleses, fundado em 1889 como Santos Athletic Club. Era formado por funcionários da São Paulo Railway, Cia City e membros da colônia santista. Mais tarde, já era uma das principais referências da comunidade, com sede na Rua Santa Catarina, 127, José Menino.



JAPÃO

 

A chegada a Santos do navio Kasato-Maru, em 18 de junho de 1908, com os primeiros 781 imigrantes japoneses para trabalhar nas fazendas de café de São Paulo, deu início a uma história que aproximaria para sempre santistas e japoneses. Hoje, no Brasil, são 1,5 milhão de descendentes.

Várias famílias que foram para o Interior voltaram à Cidade, onde começaram a trabalhar principalmente no ramo pesqueiro. Depois de superar a barreira da língua, se espalharam pelo Saboó (bairro com mais imigrantes), Ponta da Praia, Marapé, Campo Grande e Morro Nova Cintra.

Em Santos, há várias referências da comunidade japonesa, sendo uma das principais a escultura da artista plástica Tomie Ohtake, junto ao mar, no Parque Roberto Mário Santini. Há ainda o Monumento 18 de junho, no Porto, e o Clube Estrela de Ouro FC, na Ponta da Praia, e a Associação Japonesa, na Rua Paraná, 129. ‘’Temos uma forte colônia aqui e a casa é uma referência para a comunidade’’, diz a segunda vice-presidente, Marise Hashimoto. Os imigrantes trouxeram a culinária típica, artes marciais, ikebana e a cultura pop japonesa (animês e mangás).


GRÉCIA



Florianópolis (SC) e Lins (SP) foram as cidades que começaram a receber imigrantes gregos no final do século 19. Mas foi após a Primeira Guerra Mundial, entre 1918 e 1924, que eles vieram a Santos para trabalhar como marinheiros e aduaneiros. Em meio à Segunda Guerra e logo após o seu término, cerca de três mil imigrantes chegaram ao País, espalhando-se por Santos, São Vicente, São Paulo, Rio de Janeiro, Vitória, Curitiba e Porto Alegre.

''Santos tem forte relação com os gregos na arquitetura, por exemplo. Construções com várias colunas, ideia de espaço, de leveza, são características do estilo grego ou greco-romano. A Bolsa do Café tem parte da fachada nesse estilo'', explica Augusto Cesar Vassilopoulos, descendente grego de 47 anos, professor de história da arte e de danças gregas e com família em Santos.
Ele cita ainda a estrutura circular com vigas suspensas, instalada na avenida da praia, próximo ao Aquário, como outro exemplo de influência arquitetônica.
 

PAÍSES ÁRABES



O Porto de Santos recebeu milhares de imigrantes árabes, que começaram a chegar ao Brasil a partir de 1858. Grande parte de sírios e libaneses. Segundo a sexóloga Márcia Atik, eles embarcavam sabendo apenas que estavam indo para a América, especialmente para os Estados Unidos, mas muitos se surpreendiam ao descobrir que estavam na América do Sul.

Em Santos, eles se dedicaram principalmente ao comércio, seguindo a antiga tradição de mercadores. ‘’Chegavam e normalmente recebiam a ajuda de um amigo, parente, o “brimo”, para juntar dinheiro e abrir o próprio negócio’’, conta Márcia, lembrando que os santistas, assim como todo o País, adotaram o quibe e a esfiha, especialidades árabes consagradas.


Entre as referências, o Clube Sírio-Libanês, na Avenida Costa, 473, que completou 67 anos. ‘’Ele é essencial para uma comunidade tão importante como a nossa, que ajudou a construir a história do Brasil. Realizamos várias atividades para a colônia e devemos oferecer, junto com a Igreja Ortodoxa, um curso de línguas’’, revela a diretora social Cristiane Fatalla.


PAÍSES AFRICANOS

 

Santos recebeu milhares de imigrantes africanos durante a escravidão, além de refugiados e imigrantes do Cabo Verde. Hoje, a comunidade cabo-verdiana está totalmente inserida na Cidade. A escola de samba X-9 foi fundada por Eugênio Pedro Ramos, natural daquele país. E a Escola Portuguesa é presidida pelo cabo-verdiano José Augusto do Rosario’’, explica o professor Djalma Moraes.

Segundo Moraes, três quilombos marcaram época:  o de Pai Filipe, na Vila Mathias, o Santos Garrafão, no Centro, e o do Jabaquara, implantado por Quintino de Lacerda. Vale falar ainda do carnaval, que se popularizou com o surgimento das escolas de samba nos anos 20, 30. ‘’Era uma chance dos negros de baixa renda comemorarem os dias de festa’’.  

Entre expressões culturais e religiões, capoeira, umbanda e candomblé foram difundidas pela Cidade. E as ervas, pimentas, óleo de dendê e pratos como acarajé, abará e mungunzá caíram no gosto de muitos santistas.

 

Galeria de Imagens

A fachada da Sociedade Italiana de Santos. #Pracegover
Sociedade Italiana de Santos
A fachada da Beneficência Portuguesa. #Pracegover
Beneficência Portuguesa
Fachada do Centro Espanhol. #Pracegover
Centro Espanhol
Fachada do bar Heinz. #Pracegover
O bar Heinz
A fachada da Aliança Francesa. #Pracegover
Aliança Francesa
A fachada do Clube dos Ingleses. #Pracegover
Clube dos Ingleses
O monumento de Tomie Ohtake, na praia do José Menino. #Pracegover
O monumento de Tomie Ohtake
Grupo de dança grega em frente a arcos inspirados na cultura daquele país
Dança grega em frente a monumento que tem colunas inspiradas na cultura grega
Homenagem do mundo do samba no Quilombo do Pai Felipe. #Pracegover
Tradicional homenagem do mundo do samba é realizada no Quilombo do Pai Felipe
Apresentação de dança do ventre no Clube Sírio-Libanês
Dança do ventre no Clube Sírio-Libanês

Feedback

Ajude-nos a tornar o Santos Portal melhor. Deixe um comentário, dúvida ou sugestão.