Conteúdo

Festival Santos Café reúne 48 mil pessoas no Centro

9 de julho de 2017
10h 04

Com público de 48 mil pessoas, o Festival Santos Café, realizado neste final de semana, agitou o Centro Histórico com programação de música, dança, teatro, passeios, cinema, artesanato, economia criativa, gastronomia, exposições e degustação de café. As atrações ocorreram em locais como a Praça Mauá, Bulevar da Rua XV de Novembro e Rua do Comércio, no Centro - e no Largo Marquês de Monte Alegre, no Valongo.

No sábado a programação ofereceu inúmeras atividades, a maioria gratuita. Um dos destaques foi a exposição de carros realizada pelo Clube de Automóveis Antigos de Santos, na Praça Mauá. “Temos aqui cerca de 100 carros de colecionadores da Baixada Santista e da Capital. Modelos como uma pick-up Ford de 1929 e carros de até 1994. Realizamos a exposição aqui na Mauá todo segundo sábado de cada mês”, disse o presidente do clube, João Antônio Rechtenwald. A programação foi acompanhada de feira temática. “Tradicionalmente esses eventos são realizados conjuntamente a um ‘mercado de pulgas’, que comercializa itens como peças de carros, camisetas, antiquários e assessórios. Tudo temático".

Feira

Com 12 estandes, a feira Centro com Arte - realizada no Largo Marquês de Monte Alegre, no Valongo (em frente ao embarque do Bonde Turístico) - teve bom público, que pôde conferir peças de artesanato, perfumaria, quadros, discos e tapeçaria confeccionados pelos próprios expositores, além de degustação de café. A atividade, organizada pela Prefeitura de Santos, é realizada todas as sextas-feiras, das 10h às 17h na Praça Mauá; e nos sábados e domingos, das 11h às 17h no Valongo.

Museu

O Museu do Café de Santos recebeu na manhã de sábado a oficina gastronômica ‘Torta mousse de café’, que teve público de cerca de 30 pessoas e coordenação do chef da Estação Bistrô Restaurante-escola de Santos, Júnior Monteiro. O museu também oferece, além da visitação monitorada, programações culturais como a exposição ‘Sin café no hay mañada’, da fotógrafa Letícia Freire, e o Espaço Café com Leite, com recreação infantil.

Estátuas

O Centro Histórico recebeu uma decoração diferente durante o Festival Santos Café. Inúmeras estátuas vivas incrementaram a paisagem e atraíram a atenção do público. Vitória Eunice, de Praia Grande, encarnou a personagem Colhedora de Café, criada especialmente para o evento. “Trabalho como estátua viva há 6 anos. O segredo para ficar imóvel é pensar em outras coisas e não no movimento ao redor”.

Também de Praia Grande, Claussen Potenza deu vida a uma estátua branca. “Faço isso há 4 anos. Pra chamar atenção você tem que ficar imóvel a maior parte do tempo, mas precisa interagir com a plateia, se movendo oportunamente e até dando uns sustos em quem observa”.

Música

A programação do Festival Santos Café ofereceu inúmeras opções musicais durante o sábado, com destaque para o show do guitarrista de blues e jazz Nuno Mindeli no palco da Rua XV de Novembro. “Essa é uma grande festa e, como sempre sou muito bem recebido pelo público santista. Mostro aqui um pouco do blues e seus derivados, assim como música dos meus trabalhos, como o mais recente: ‘Angels & Clows’”.

O palco da Rua XV também recebeu durante a tarde o som da Roda de Samba do Ouro Verde e do projeto Samba no Salto, das cantoras Rafaella Laranja, Elenira Ribeiro e Simone Anselmo.

Já o Bulevar da Rua XV de Novembro foi palco da apresentação do Quarteto de Cordas Martins Fontes, corpo estável da Secretaria Municipal de Cultura (Secult), que apresentou repertório com clássicos e canções populares.

Na Praça Mauá, o projeto Orquestra na Rua, criado por Leonardo Mallet, teve a participação de cerca de 30 músicos dos naipes de violino, viola, violoncelos e contrabaixo. “Fazemos o convite para os músicos pela internet, pela nossa página no Facebook, e disponibilizamos as partituras das músicas que interpretaremos. O pessoal se encontra no local combinado, ensaia e em seguida se apresenta. Aqui na Mauá tocamos temas de filmes como ‘O Mágico de Oz’ e canções da MPB de artistas como Pixinguinha e Chico Buarque”.

Frontaria

A Casa da Frontaria Azulejada (Rua do Comércio, 92 - Centro Histórico) foi um dos locais que mais recebeu público, abrigando inúmeras apresentações culturais, estandes de degustação de café, a exposição fotográfica ‘Ciatas de Santos – Mulheres que no samba resistem’, de Rodrigo Montaldi, e a Feira de Criadores, que reúne 30 expositores da região e da Capital, atuantes no segmento da economia criativa.

Entre a programação cultural, destaque para a performance do Balé da Cidade de Santos ao som da Velha-Guarda da X-9, apresentando a coreografia ‘Malandragem’, com trilha sonora de clássicos de Adoniran Barbosa e Noel Rosa.

“A coreografia tem cerca de quatro anos, mas há dois anos iniciamos essa boa parceria com o pessoal da X-9. Desde então a trilha sonora é executada ao vivo. Na apresentação temos a participação de sete bailarinas”, explicou a coreógrafa e bailarina, diretora da Escola de Bailado Municipal de Santos (EBMS) e do Balé da Cidade de Santos, Renata Pacheco.

A Feira de Criadores também foi sucesso de público. “Aqui temos pessoal atuando nos segmentos de alimentação, calçados, vestuário e acessórios. Lançamos o desafio para que cada expositor apresentasse algum produto com o tema café, e hoje temos até camiseta com o aroma da bebida sendo vendida aqui", disse o organizador da feira, Heitor Cabral.

Walking Tour

Unindo atividade física e história, o Walking Tour - passeio turístico monitorado, realizado a pé pelas ruas do Centro Histórico, teve adesão de turistas e munícipes, que puderam conhecer um pouco mais da relação entre o café e a Cidade de Santos.

“O passeio tem cerca de 1h30 de duração, percorrendo a área do Alto Comércio do Café, que compreende o Centro e o Valongo. Passamos por pontos como uma torrefação, Casa da Frontaria Azulejada, Museu do Café, Estação do Valongo e pelo Porto, mostrando a relação entre a Cidade e a história da bebida no País e no mundo”, explicou a guia de turismo da Prefeitura de Santos, Soraia Bizarro. “Estou gostando muito do percurso e aprendendo muitas coisas sobre a minha cidade”, disse a comerciária Regina dos Anjos, 47, moradora do Embaré. 

Bonde

O passeio no bonde turístico foi disputado durante o festival, com destaque para o Bonde Café, que voltou a operar especialmente para o evento após passar por reforma externa e receber nova comunicação visual, com a mesma tonalidade de verde utilizada na década de 1950 na Itália, país em que foi fabricado.

O passeio temático no bonde, com direito a degustação de café ao término, ocorre a cada hora, com saída da Estação do Valongo e passagem inteira vendida a R$ 6,50. Os bondes turísticos operam às quintas e sextas-feiras, com saídas às 14h30, 15h30 e 16h30, e nos sábados e domingos, das 11h30 às 16h30.

Filmes

O Museu Pelé (Largo Marquês de Monte Alegre, s/nº - Valongo) também integrou a agenda do Festival Santos Café, e no sábado teve como destaque a programação da 1ª Mostra Santista de Curtas Cidades Criativas, com filmes de produtores da região e de países que integram a rede Unesco de cidades criativas. As sessões também ocorrem no domingo no mesmo horário e local, com entrada franca.

Os filmes em cartaz neste domingo são ‘Convívio’ (Santos), 'Sorriso: O turista em Sapporo’ (Japão), ‘Paducah: Onde o Espirito Flui’ (Estados Unidos), ‘Múltiplos de 13’ (Santos), ‘Saint-Etienne – A Cidade Design’ (França), ‘Heidelberg Através da Hasselblad’ (Áustria), ‘Minha Cidade Katowice’ (Polônia), ‘13 Maneiras de se Rodar em Terras Caiçaras’ (Santos), ‘Através da Janela’ (Japão) e ‘Anamnese’ (Santos).

Outra atração no museu é a 1ª Mostra Curta Café, resultado de parceria entre o Coletivo TUmobgrafia, Secult, Segov e Setur. Reúne 100 fotos selecionadas com o tema ‘Café’, exibidas no vídeo wall do andar térreo do Museu Pelé, das 10h às 18h.

O Festival Santos Café tem realização da Prefeitura de Santos e Museu do Café, com apoio da Café Editora, Revista Espresso, Clube de Automóveis Antigos de Santos, American Ciclo, Rádio Guarujá, Senac e Estação Bistrô Restaurante-escola.

Fotos de Susan Hortas e Raimundo Rosa