Conteúdo
Notícias

Transporte coletivo é o tema com mais propostas no Plano de Mobilidade

Publicado: 18 de fevereiro de 2016
16h 09

Para que as propostas do Plano Municipal de Mobilidade Urbana atendam aos anseios e necessidades da população, a Prefeitura de Santos realizou na noite de quarta-feira (17), na Unisanta (Boqueirão), a segunda audiência pública sobre o tema.

O encontro, com participação de 60 pessoas, faz parte do processo preparatório para o envio do projeto de lei à Câmara Municipal, o que deve ocorrer até o final de março.

Na audiência, também foi apresentado o balanço prévio das propostas recebidas pelo hotsite (para acessá-lo, clique aqui) desde o início deste ano, sendo a maioria da região Leste (75%).

Na divisão por temas, a maior parte (45%) foi referente a transporte coletivo, questão que também é a principal preocupação da estudante de engenharia ambiental Larissa Rodrigues, 28 anos, presente à audiência. “A participação é importante para poder opinar sobre as melhorias do transporte e mobilidade. Muitas vezes as pessoas reclamam, mas não fazem nada”.

Já o doutor em Engenharia e representante do Inova Paula Souza, Paulo Schroeder de Souza, 58, participou do encontro visando estudos e pesquisas nesta área por parte das escolas técnicas e faculdades de tecnologia estaduais.

“Para mim seria importante um estudo para a mudança da sinalização das ruas e criação de novos traçados e caminhos, porque em horários de pico as ruas ficam afuniladas”, opina ele.

Empoderamento

“É importante empoderar o cidadão comum, para que ele participe do processo e traga a sua opinião para afinar as propostas”, destaca o secretário municipal de Desenvolvimento Urbano e presidente do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano (CMDU), Nelson Gonçalves de Lima Junior.

A criação do Plano Municipal de Mobilidade Urbana atende à política nacional do setor (lei federal 12.587 de 2012). O documento terá validade de 10 anos, podendo ser atualizado antes deste prazo, e prevê metas a serem atingidas em períodos de curto prazo (até 2,5 anos), médio (5) e longo prazo (10).

Interessados em colaborar podem acessar o hotsite, desenvolvido pela Prefeitura. No endereço eletrônico há informações detalhadas sobre o Plano, como objetivo, etapas previstas, levantamentos sobre a mobilidade no município, além de áreas para avaliação com questionamentos objetivos e campo para sugestões livres.

Balanço prévio da avaliação pela internet

=> 98% das pessoas que acessaram o hotsite acreditam que é importante residir próximo aos locais de compra e equipamentos de sáude, educação, etc. 
=> 60% dizem que é fácil chegar a estes lugares 
=> 59% responderam que é fácil e rápido chegar em creches, escolas e prontos atendimentos 
=> 68% não consideram os coletivos e equipamentos de transporte fáceis de serem usados por pessoas com deficiências ou mobilidade reduzida 
=> 43% acreditam que a rapidez é a qualidade mais importante que o transporte coletivo deve ter
=> 58% se deslocaria a pé se houvesse mais conforto
=> 73% não consideram que as decisões sobre os sistemas de deslocamentos levam em conta a opinião e necessidade dos munícipes
=> 88% não participam ou são representados em algum Conselho ou Comissão de discussão sobre mobilidade
=> 54% defendem a internet como a melhor forma de participar das decisões

Foto: Ronaldo Andrade