Conteúdo

Projeto ambiental, em Santos, cede stand up em troca de lixo coletado na praia

18 de agosto de 2019
17h 19

Despertar a consciência ambiental, criar a oportunidade para pegar onda em uma prancha stand up e, de quebra, contribuir para a preservação dos ecossistemas marinhos. Foi pensando nisso que o educador ambiental Daniel Thomaz idealizou o Surflimpeza, projeto que tem conquistado a admiração de quem frequenta a praia do Boqueirão, em Santos.

Sob uma tenda localizada na beira mar, as pranchas são cuidadosamente enfileiradas e parecem estar à venda. Na verdade, estão à disposição de quem quer remar. O valor do aluguel não é pago em dinheiro, e sim em retirada de lixo da areia. Neste domingo (18), o projeto atendeu mais de 15 pessoas. Daniel comemorou a quantidade de material coletado, mais de 1,5 kg de bitucas, plásticos, canudos, tampinhas, lixo doméstico e até hastes flexíveis usadas na higiene pessoal.

“A gente faz uma troca. A pessoa coleta um copo de microlixo de praia e tem o direito de remar gratuitamente, por meia hora, de stand up. Pego esses resíduos e transformo em arte, no intuito de expandir a consciência ambiental”. O artesanato citado é feito com uma resina que envolve diversos tipos de lixo como canudos, bitucas de cigarro e lacres de latinhas, que formam objetos como tartarugas, golfinhos e até réplicas das muretas de Santos. O idealizador vende estes materiais e gera renda para que o Surflimpeza permaneça atuante.

A arquiteta Fernanda Capaz, 39 anos, mora em São Paulo e veio com a família a passeio neste domingo. Colocou ‘a mão na massa’ e recolheu material suficiente para usar três pranchas. “Vi as pranchas, fui perguntar se poderia alugar e ele (Daniel) me contou como deveríamos fazer. Nós achamos demais e as crianças se divertiram procurando o lixo. Elas aprendem na escola e aqui conseguiram pôr em prática a educação ambiental. A iniciativa é muito bacana”.

O projeto acontece há um ano e meio, todos os sábados e domingos, das 10h às 17h. Conta com o apoio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe).

Fotos: Raimundo Rosa.