Conteúdo
Notícias

População deve se mobilizar hoje no dia do desafio contra a dengue

Publicado: 26 de setembro de 2001
0h 00

Hoje, dia 27, as autoridades regionais, prefeituras, Dir XIX e Sucen se unem para num trabalho conjunto motivar a população dos nove municípios da região a realizar o Dia Regional do Desafio Contra a Dengue, eliminando ovos do mosquito transmissor da doença, que nessa época do ano ficam depositados em recipientes de água parada. Os ovos sobrevivem durante vários meses, até que, na chegada do verão eclodem, viram larvas e se transformam nos mosquitos vetores dessa terrível doença. Para motivar a população a ficar mais alerta (não apenas hoje mas permanentemente), 200 mil filipetas (avisos) foram distribuídas nas residências, pedindo o descarte de criadouros, tais como garrafas, pratos, copos plásticos, pneus velhos, enquanto que em três pontos de grande afluência - Praça Mauá, no Centro; no boulevard da Othon Feliciano, no Gonzaga, e na Av. Nossa Senhora de Fátima, nas proximidades do supermercado Barateiro -, haverá montagem de estandes, pela Secretaria Municipal de Saúde(SMS), com abordagem da população e distribuição de material educativo sobre os cuidados contra a dengue e com exibição de insetários, que mostram o ciclo de vida biológico do mosquito, na forma de ovos, pupa, larva e alado. O mosquito da dengue é escuro o e rajado de branco, menor que um pernilongo e a fêmea pica durante o dia. Na tarefa de abordagem estarão envolvidos os 110 funcionários do Programa de Combate à Dengue como também os 220 Agentes Comunitários de Saúde. Novos folhetos também estão sendo distribuídos em escolas, unidades de saúde e em pedágios nos shoppings e outros locais de grande público. Toda a população sabe que Santos e mais de 3.600 municípios do Brasil estão enfrentando o desafio de controlar a epidemia da dengue, transmitida pelo Aedes aegypti, que vive sobretudo dentro das casas e em ambientes limpos, já que o mosquito não gosta de água suja. Em todo o Estado de São Paulo, o crescimento dos casos da dengue têm sido impressionante, inclusive em municípios da região. Por isso não bastam ações isoladas, já que o mosquito não enxerga limites nem fronteiras. Só em Santos, onde há um trabalho eficiente de notificações, há mais de 11.500 casos da doença confirmados, sem contar os casos assintomáticos que não aparecem nas estatísticas. E a tarefa principal dessa luta contra o mosquito, cabe a cada dona de casa, criança, empregada doméstica, faxineiros de prédios, síndicos de edifícios. Cada qual deve verificar a forma de estar eliminando criadouros, limpando calhas, com esponja ou vassoura e não deixando que o escoadouro de águas pluviais entupa. Os ralos devem estar telados ou fechados, e tratados semanalmente com sal, cloro ou creolina. As caixas d’água devem ser fechadas. E em cada residência sempre existe criadouros em potencial, que acumulam água, tais como ralos, caixas d’água descobertas, pneus deixados ao ar livre, pratinhos de planta, copos descartáveis, xaxins, bacias e outros tipos de recipientes. JOGUE NO LIXO O CRIADOURO Hoje, em Santos, a principal tarefa para o desafio pedida à população é que descarte criadouros removíveis, colocando-os na porta de casa, embalados em sacos plásticos junto ao lixo comum. A Terracom fará o recolhimento desse material, e para isso já fez reforço da frota. O descarte não deve ser de objetos volumosos, como móveis ou geladeiras velhos, já que para isso existe o Cata-Treco, agendado pelo telefone 0800-554020, sem contar que um dia por semana, em cada bairro, há a coleta para esse tipo de lixo. Sem ajuda da população, a epidemia continuará crescendo e há fortes evidências que, pode ocorrer, no próximo verão a epidemia da dengue hemorrágica, alertam os coordenadores da Saúde Coletiva. Esse alerta é do Ministério da Saúde para todo o Brasil. O perigo da dengue hemorrágica existe porque em grande parte dos municípios já circulam os sorotipos l e 2, e o tipo 3 já chegou ao Rio de Janeiro. Quanto mais sorotipos circulantes, mais as pessoas ficam vulneráveis à dengue hemorrágica. E Santos, por ser Porto, é um dos municípios mais vulneráveis à epidemia da dengue hemorrágica.