Conteúdo
Notícias

Obras vão melhorar acessibilidade em 15 escolas de Santos

Publicado: 20 de outubro de 2021 - 14h42

Mais de seis mil alunos e funcionários de 15 escolas municipais em Santos serão beneficiados com obras de acessibilidade, num investimento total de R$ 4,2 milhões. Os estabelecimentos, distribuídos por 12 bairros, atendem crianças, jovens e adultos do berçário I e II, maternal I e II, pré-escola, educação infantil, ensino fundamental e EJA. As obras contemplam construção de banheiros e vestiários acessíveis, revisão de corrimãos e guarda-corpos, e instalação de elevadores, entre outras intervenções.

A lista de unidades municipais de educação (UMEs) inclui Olavo Bilac (Vila Belmiro), Carmelita Villaça (Ponta da Praia), 28 de Fevereiro (Saboó), Elsa Virtuoso (Macuco), Olívia Fernandes (Embaré), Auxiliadora da Instrução (Estuário), Passos Sobrinho (Macuco) e Porchat de Assis (Ponta da Praia).

E ainda: Hilda Papa (Rádio Clube), Oswaldo Justo (Chico de Paula), Esmeraldo Tarquínio (Bom Retiro), Anizio Bento (Areia Branca), Fernando Costa (São Jorge), Leonardo Nunes e Yara Santini (Castelo). As primeiras intervenções devem começar ainda este ano, gerenciadas pela Secretaria de Infraestrutura e Edificações (Siedi).

Novos dispositivos vão proporcionar espaços sem barreiras

As escolas serão adaptadas de acordo com a regulamentação nacional (NBR-9050) para proporcionar aos alunos e funcionários maior conforto na utilização dos equipamentos, totalmente acessíveis. Segundo o Departamento de Planejamento de Obras da Siedi, o objetivo principal é a eliminação dos obstáculos físicos nos principais acessos (entradas), circulação entre os andares, corredores e salas, além dos sanitários e a sinalização tátil que dá autonomia às pessoas com deficiência visual. 

Até 2015 as normas de acessibilidade focavam principalmente nas áreas de acesso ao público. Hoje o foco está mais amplo e abrange todos os detalhes das áreas internas. Por esse motivo, a maioria das construções entre 2004 e 2015 precisa aperfeiçoar a acessibilidade.

OBRAS FORAM DIVIDIDAS EM LOTES

A Siedi dividiu as escolas em quatro lotes para contratar as empresas que farão as obras. O edital de licitação do primeiro lote, lançado em junho, é composto pelas escolas Olavo Bilac, Carmelita e 28 de Fevereiro. Tem obras com prazo de execução de dois e três meses, que devem começar ainda este ano, ao custo de R$ 1,2 milhão.

O segundo lote inclui Elsa Virtuoso, Olívia Fernandes, Auxiliadora, Passos Sobrinho e Porchat de Assis; o terceiro lote engloba as UMEs Hilda Papa, Oswaldo Justo e Esmeraldo Tarquínio. Já o quarto e último lote está composto pelas escolas Anizio Bento, Fernando Costa, Leonardo Nunes e Yara Santini.

O segundo, terceiro e quarto lotes reúnem intervenções com prazo de oito meses e valores de R$ 978 mil, R$ 1,04 milhão e R$ 1,1 milhão, respectivamente. A expectativa é de que os trabalhos destes três lotes iniciem no primeiro semestre do próximo ano, após a conclusão dos processos licitatórios.