Conteúdo

Obra do novo Ambesp de Santos está concluída e serviço será entregue no primeiro trimestre de 2020

29 de novembro de 2019
15h 34

A obra de engenharia do novo Ambulatório de Especialidades (Ambesp) foi concluída pela Fundação Lusíada, parceira da Prefeitura de Santos, e o imóvel do futuro equipamento passa agora por serviços de climatização, acessibilidade e instalação da rede de informática e mobiliário.

Oito organizações sociais (OS) manifestaram interesse na gestão compartilhada do serviço e, no dia 13 de dezembro, será realizada a abertura dos envelopes de propostas para definição da entidade vencedora. O início de operação está previsto para o primeiro trimestre de 2020.

“Este vai ser um equipamento muito importante para atender a população. Hoje, fazemos o atendimento num imóvel antigo e alugado. Aqui, com uma parceria sem custos para a Cidade, vamos ter um prédio muito moderno e ampliaremos os serviços”, destacou o prefeito Paulo Alexandre Barbosa, em vistoria ao imóvel nesta sexta (29) acompanhado do reitor do Unilus e presidente da Fundação Lusíada, Nelson Teixeira.

“A nova parceria com a Prefeitura faz parte da filosofia da instituição de promover o atendimento ambulatorial assistencial para os moradores da região, o que vem desde o nosso fundador Eduardo Dias Coelho”, ressaltou Teixeira.

PARCERIA

O novo Ambesp (Rua Manoel Tourinho x Rua José Francisco Valença, no Macuco) tem 4 mil m² e será cedido pela Fundação Lusíada em comodato ao Município por 30 anos, representando economia mensal aos cofres públicos de R$ 40 mil, valor pago pelo aluguel do atual imóvel da Av. Conselheiro Nébias 199. A nova unidade terá horário ampliado e funcionará de segunda a sexta, das 8h às 20h, e aos sábados, das 8h às 14h – atualmente funciona de segunda a sexta das 7h às 17h. O número de consultas médicas saltará de 88 mil/ano para 190 mil/ano (+ 114%) e as consultas de outros profissionais passará de 4,3 mil/ano para 38,1 mil/ano (nove vezes maior).

SELEÇÃO

Um total de R$ 1,7 milhão será investido pelo Município nas adequações do imóvel. A organização social (OS) gestora deverá dotar a unidade com os aparelhos e equipamentos para realização de consultas, cirurgias e exames ambulatoriais, incluindo endoscopias, colonoscopias e outros procedimentos.

A OS receberá em torno de R$ 2,1 milhões/mês para o custeio da unidade, valor que poderá sofrer alterações após o chamamento. “Já iniciamos o processo de seleção da instituição que será nossa parceira aqui na gestão do equipamento e, na quinta-feira (28), acabou o prazo para manifestação de interesse”, explica o secretário de Saúde, Fábio Ferraz.

Estão na disputa as organizações sociais: SPDM - Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, Instituto Social Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Fundação de Apoio à Universidade São Caetano do Sul, Fundação ABC, Associação Paulista de Gestão Pública, Instituto Nacional de Pesquisa e Gestão em Saúde, Associação da Irmandade da Santa Casa de Casa de Pacaembu e Pró-Saúde – Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar.

Galeria de Imagens

corredor do prédio #pracegover
visão aérea do térreo #pracegover
corredor do prédio #pracegover
corredor do prédio #pracegover