Conteúdo

Guarda municipal relata rotina de comprometimento e celebra qualificação. Assista ao vídeo

30 de outubro de 2018
11h 00

“Incorporo mesmo a missão de servir ao público. Essa é a minha função como servidor. Posso estar com problemas na vida pessoal, mas o munícipe que depende de mim não tem culpa. Tenho que oferecer segurança às pessoas, pois é isso que elas esperam”. Com essas palavras, Aurélio dos Santos aborda a rotina de 29 anos dedicados à Guarda Municipal, da qual hoje é inspetor-chefe e ocupa o cargo de coordenador operacional do Centro Histórico.

Aos 52 anos, ele relembra toda a evolução do trabalho prestado pela corporação ao longo das últimas décadas. “Quando cheguei, em 1989, nos dedicávamos basicamente ao patrimônio do Município, atuando apenas em equipamentos como policlínicas e escolas, além de departamentos administrativos. Com o tempo, passaram a exigir mais da Guarda, que então veio a atuar nas ruas, de modo ostensivo, com diversas viaturas. Agora, fazemos autuações sobre comércio irregular, descarte de entulho e perturbação de sossego, em funções de segurança pública”.

Ao longo das últimas décadas, conta Aurélio, mais serviços passaram a ser oferecidos à sociedade santista. “Nosso comando entendeu que necessitávamos adquirir novas qualificações e, a partir daí, foram realizados vários cursos de aperfeiçoamento”, explica, mencionando como exemplo as aulas voltadas ao atendimento de emergência. “Há viaturas equipadas com desfibrilador, para usarmos enquanto o socorro não chega. Profissionais do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) nos instruíram e estamos preparados em caso de necessidade”.

Ele também valoriza os conhecimentos adquiridos pela corporação na área de Direitos Humanos. “Foi importante para conhecermos os direitos fundamentais das pessoas, até porque estão na Constituição. Nosso comando não tolera abusos de autoridade”.

Entre êxitos recentes da Guarda, Aurélio relata um furto evitado no Cemitério do Paquetá. “Esta semana, uma câmera de monitoramento gravou um indivíduo pulando o muro e furtando duas peças de bronze para serem vendidas em ferro velho. Ao detectarmos essa situação, uma viatura foi acionada e conseguimos levar o elemento para a delegacia”.

Em relação ao futuro, a única certeza que o servidor possui é a de que, quando estiver aposentado, vai dedicar mais tempo aos familiares. “Nossa função exige muito. Às vezes, a família sente nossa falta. Temos que trabalhar no momento em que todos estão se divertindo: Natal, carnaval, Ano-Novo… São os dias em que a Cidade recebe o maior número de pessoas. Mas quem quiser ficar em casa aos sábados, domingos e feriados tem que trabalhar em outra função. Eu escolhi segurança pública sabendo de todas essas responsabilidades”.

 

Reconhecimento

“Um profissional experiente e capacitado, com uma excelente interface com a população”. Assim Aurélio é definido pelo secretário de Segurança (Seseg), Sérgio Del Bel, que cita ainda outras qualidades do guarda municipal. “Ele é muito bem-humorado e sempre disposto para o trabalho. É admirado pela corporação e também pela comunidade”.

 

Foto: Susan Hortas