Conteúdo
Notícias

Fórum da dengue mostra novas ações e demonstra o risco da dengue hemorrágica

Publicado: 21 de setembro de 2001
0h 00

Vários dados reveladores do risco da dengue hemorrágica, no próximo verão, foram apresentados ontem, no Fórum de Epidemiologia da Dengue, pela Vigilância Epidemiológica (Seviep), da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). O evento foi promovido dentro da série de ações da SMS para sensibilizar a população e buscar novas formas de apoio para o controle da doença no Município e na região. Um desses dados preocupantes: o número de portadores da dengue em Santos que apresentaram, entre os sintomas da doença, manifestações hemorrágicas em vômitos, fezes, ou outras formas como gengivorragia (sangramento nas gengivas) petéquias (pintas de sangue no corpo), epistaxe (sangramento pelo nariz) subiu de forma significativa, passando de 1.214 em 99, ano em que a epidemia foi igualmente forte, para 2.589 até junho deste ano. A população precisa colaborar para eliminar criadouros domésticos dos Aedes aegypti. Por mais que o poder público se esforce, fazendo a sua parte, não haverá vitória nessa luta se a população não se envolver. Santos já possui a circulação de dois sorotipos de dengue, 1 e 2, e pelo fato de ser Porto, é possível o ingresso do tipo 3. E cada vez que uma pessoa é atingida por um dos tipos da dengue, torna-se mais susceptível à dengue hemorrágica, na medida que diminui sua imunidade. No Rio de Janeiro, já há 50 casos confirmados de dengue tipo 3. Várias ações, campanhas, e até premiações estão previstas nas atividades de informação educação e comunicação, além do trabalho intenso que a SMS já desenvolve nas visitas casa à casa, eliminação de criadouros, bloqueios, controle de infestação por ovitrampas, avaliações larvárias e outras iniciativas que vêm sendo aperfeiçoadas ano a ano. ESPECIALISTA ELOGIA TRABALHO Um balanço completo de tudo que foi feito pelo PEAa - Programa de Erradicação do Aedes aegypti-, agora denominado de Programa de Controle da Dengue (PCD) ocorreu na reunião de ontem. O encontro contou com a participação de uma das maiores autoridades em dengue, o Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da USP, que vem supervisionando a pesquisa de ovitrampas em Santos. Cerca de 800 armadilhas de ovos de mosquito serão instaladas até final de outubro, mas o objetivo da SMS é chegar a 1.200. O professor Almério destacou, na ocasião, a qualidade do trabalho que é realizado no controle da doença e elogiou o fato de o Município ser o único que utiliza essa pesquisa, como forma preventiva para detectar os locais de maior infestação. Apesar do grande número de casos de dengue no Município (embora Santos tenha tido um crescimento de casos bem menor que no restante do Estado), até agora 11.468 com 10.431 autóctones, o professor Almério garante que o Município está no caminho certo no controle, embora ache fundamental a busca de maior participação da população. O mosquito, na forma de ovo, tem que ser destruído nas residências, especialmente em ralos, calhas e objetos que acumulam água. E tudo que for feito preventivamente é fundamental para diminuir o número de casos da doença no próximo verão. O comportamento da dengue no Brasil, revela que, os picos da dengue ocorrem de forma forte de dois em dois anos. E tudo indica que 2002 será um ano problemático, afirmaram os técnicos, no encontro. PLANEJAMENTO A intensificação das ações do controle da dengue, seguindo um planejamento até junho de 2001, foi divulgado ontem no Fórum. Mas um fato ficou constatado: das cerca de 100 pessoas presentes, a grande parte era formada por funcionários da Saúde e de outros órgãos da administração. Foi considerada pequena a participação da sociedade, apesar dos mais de 200 convites dirigidos a sindicatos, associações, corporações militares e entidades de servir e a divulgação feita pela mídia. O encontro teve participação do diretor técnico da Dir-XIX, Flávio Faria, que assinalou a importância das ações regionais e conclamou a participação popular no Dia do Desafio Contra a Dengue, uma das iniciativas de caráter regional, que vai ocorrer no próximo dia 27. Em Santos, as atividades propostas vão envolver retirada em massa de criadouros, com participação da Terracom, Prodesan e entrega de filipetas em todas as residências.