Conteúdo

Faixas de ônibus da Zona Noroeste de Santos são ativadas e operam em teste até quarta

Publicado: 1 de março de 2021
18h 13

Ativadas nesta segunda-feira (1º), as faixas exclusivas e preferenciais para a circulação do transporte coletivo nas avenidas Nossa Senhora de Fátima e Martins Fontes vão continuar operando em fase de teste até quarta-feira (3). A partir da zero hora de quinta-feira (4), terá início a fiscalização.

Desde as primeiras horas da manhã, agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET-Santos) estão orientando os motoristas sobre a implantação das faixas, todas devidamente sinalizadas. Também painéis móveis de mensagens são utilizados para informar os condutores. Um deles está posicionado na N. Sra. de Fátima (São Vicente/Santos), na altura da Rua Bóris Kauffmann, e outro na Praça Lions para instruir os motoristas que vão em direção à Martins Fontes.

TRECHOS COM FAIXAS

Nos dois sentidos da Avenida Martins Fontes, no trecho entre a N. Sra. de Fátima e a Praça Rui de Lugo Viña, foram implantadas faixas exclusivas. Nos espaços exclusivos para os ônibus, os demais veículos não podem circular ou estacionar. Há faixa exclusiva ativada também na Av. N. Sra. de Fátima, no sentido Santos/São Vicente, entre a Rua Itanhaém e a Rua Haroldo de Camargo.

Já no sentido São Vicente/Santos da avenida, funciona faixa preferencial, desde a Rua Haroldo de Camargo até a Rua Júlia Ferreira de Carvalho. Nesse caso, persiste a proibição de estacionamento para os outros veículos, mas é permitida circulação, desde que seja dada prioridade aos coletivos. Ainda nesse mesmo sentido da N. Sra. de Fátima, a partir da Rua Júlia Ferreira de Carvalho, funciona faixa exclusiva para os ônibus.

A ativação dos espaços, que vão operar 24h, nos dois principais corredores de ligação com os bairros da Zona Noroeste, ocorre conforme o previsto no programa Nova Entrada de Santos. O objetivo é reduzir o tempo gasto nos deslocamentos pelos usuários do sistema.

EXEMPLOS

Em outras vias da Cidade com faixas para a circulação de coletivos, houve média de diminuição de 30%. A criação de faixas também atende ao preconizado pela Lei Federal de Mobilidade Urbana, que estabelece a prioridade ao transporte de massa em relação ao transporte individual.