Conteúdo

Esquema de emergência na zn atua com 80 homens em vários bairros

18 de dezembro de 2000
0h 00

Desde sábado às 18 horas, quando as fortes chuvas que caíram sobre a Cidade começaram a causar problemas em vários bairros da Cidade, especialmente Morros e Zona Noroeste, a Prefeitura já iniciou um esquema de emergência de limpeza de pistas e atendimento à população, a partir da Av. Martins Fontes, que sofreu o impacto de deslizamentos de lama e lixo do Morro do Bufo e teve suas pistas obstruídas. Durante cerca de 6 horas, a avenida, que é o principal acesso de entrada e saída da Cidade, passou por limpeza sendo retirados dali 10 caminhões de lama e lixo. Os trabalhos nesse local, visando o restabelecimento do trânsito, foram iniciados às 18 horas de sábado concluídos por volta da meia-noite e meia. Domingo e ontem o trabalho emergencial prosseguiu na Zona Noroeste, especialmente limpeza das ruas, agora com o reforço de equipes da Terracom que vem retirando dos bairros da região, muito entulho e lixo oriundos do transbordamento de canais e rios, e restos de móveis deixados nas calçadas pelos moradores que tiveram suas casas invadidas pelas águas. A avaliação é de que 600 residências foram atingidas na região. Somadas as equipes da Sedurbam e Prefeitura, cerca de 80 homens estão trabalhando na ZN com apoio da Coordenadoria Regional da Zona Noroeste. Sem contar chamadas ao Corpo de Bombeiros, Polícia Civil e Militar, a Coordenadoria Regional da Zona Noroeste atendeu ontem cerca de 20 solicitações de ajuda da população. LIMPEZA É FUNDAMENTAL – Esse trabalho rápido de limpeza das ruas fundamental, tendo em vista que há previsão de mais chuvas, e o lixo que ficou nas vias, pode ser um fator agravante para entupir a rede de drenagem, provocando mais enchentes. Em sua avaliação, a quantidade de chuva foi de tal ordem que os transtornos seriam inevitáveis mesmo se não houvesse agravantes como a situação geográfica da Zona Noroeste, abaixo do nível do mar e o fato de receber o impacto de várias bacias da Cidade, dos Morros e de São Vicente. O acumulado das últimas 72 horas, ontem à tarde, atingia 265, 8 mm. Os bairros mais atingidos, além da entrada da Cidade, foram o Jardim Castelo, especialmente na área de influência do canal da Av. Haroldo de Camargo e Flor Horácio Cirilo, onde cerca de 200 residências foram afetadas pelas enchentes, Vila São Jorge, com igual número de moradias prejudicadas, especialmente na Avenida Eleonor Roosevelt, cortada por canal; o bairro da Caneleira em toda sua extensão, e ainda partes do Jardim Rádio Clube, Areia Branca, Bom Retiro, Santa Maria, Saboó e Ilhéu Baixo. Nos canais da Av. Haroldo de Camargo e Flor Horácio Cirilo, divisa com São Vicente, a Prefeitura retirou no domingo 3 caminhões de lixo que obstruíam as 4 comportas do Rio do Bugre. Nesses locais a Coordenadoria Regional da Zona Noroeste havia adotado, recentemente, um sistema prático de retenção de lixo, que impedia que grande parte de materiais chegasse às comportas. Mas essa medida não alcançou resultados eficientes nas últimas chuvas porque São Vicente não aplicou as barreiras no seu lado. A retenção do lixo é feita por uma corda de polipropileno com pedaços de isopor de 40 metros, que no final de novembro, chegou a segurar duas toneladas de todo tipo de material vinda dos dois canais. Para resolver os problemas de enchentes na Divisa, a Prefeitura de Santos e São Vicente já assinaram convênio de cooperação para buscas de recursos junto ao Fehidro, já que a solução, (envolvendo construção de comportas e outras tecnologias), tem que ser conjunta. Alguns problemas de drenagem em São Vicente afetam particularmente Santos, como é o caso do canal Monteiro Lobato, no município vizinho, que não tem escoamento em direção ao mar e acaba atingindo o canal da Av. Eleonor Roosevelt e desaguando na Jovino de Melo, e trazendo problemas também para o bairro da Caneleira. A Prefeitura também agiu rápido no Caminho São Jorge, na Caneleira, onde houve queda de barreiras. Ontem a Terracom limpou a rua que estava tomada por lama e lixo mas ainda assim se tornou o acesso principal do bairro, tendo em vista o comprometimento da Rua Francisco Ferreira Canto, interditada pelo volume de água. Nesse bairro a Terracom realizava ontem trabalho de raspação e jateamento das galerias. Nos demais bairros além de limpeza das vias e limpeza de galerias, houve acionamento do cata treco para retirada de materiais das ruas. Os moradores da Zona Noroeste podem acionar a Coordenadoria Regional pelos telefones 3203-3621 e 3257-6969.