Conteúdo

Esquadra japonesa é recebida com festa no porto

18 de junho de 2008
0h 00

Brasileiros, japoneses e descendentes saudaram, na manhã de quarta (18), os três navios do Esquadrão de Instrução da Força Marítima de Auto-defesa do Japão, que vieram a Santos especialmente para participar da cerimônia do centenário da imigração. O navio-escola ‘Kashima’ foi o primeiro a atracar, no mesmo horário em que os primeiros japoneses desembarcaram no porto santista, há exatos 100 anos. Bandeirolas do Japão e do Brasil coloriram a área do armazém 30, acenadas para os oficiais, alunos e tripulantes do grupo. O comandante da esquadra, contra-almirante Chikara Inoue, recebeu a bordo o prefeito João Paulo Tavares Papa e o capitão dos portos, capitão-de-mar-e-guerra Afrânio de Paiva Moreira Júnior. Em seguida, teve início no cais a solenidade de boas-vindas, com a apresentação dos hinos nacionais dos dois países, a cargo das bandas da Marinha do Japão e da 1ª Brigada de Artilharia Antiaérea. O contra-almirante salientou a emoção de participar da festa dos 100 anos da imigração, e explicou que 170 cadetes integram a esquadra, onde são treinados durante cinco meses viajando por portos de todo o mundo. O prefeito saudou os visitantes e transmitiu votos para que a relação de respeito e amizade entre brasileiros e japoneses, construída nesses 100 anos, possa servir de exemplo para todos os povos do mundo. Atualmente, vivem no Brasil cerca de 1,5 milhão de japoneses e descendentes, conforme frisou o cônsul-geral do Japão em São Paulo, Masuo Nishibayashi. Também participaram da solenidade Kiyoshi Ejima, prefeito de Shimonoseki, cidade-irmã de Santos; o diretor da Codesp, Paulino Vicente; e o vice-prefeito, Antônio Carlos Silva Gonçalves. VISITAS As embarcações permanecem na cidade até domingo (22) pela manhã. O ‘Kashima’ estará aberto à visitação pública, sábado (21), das 10h às 11h30 e das 13h às 16h. Nesta quinta (19), recebe visitas especiais de grupos de idosos e estudantes. A esquadra também é composta pelo contratorpedeiro ‘Ungiri’ e pelo navio-escola ‘Asagiri’.