Conteúdo
Notícias

Escadaria trará maior segurança a moradores

Publicado: 9 de agosto de 2000
0h 00

A construção de uma escada com 400 metros de extensão, dotada de guarda-corpo (corrimão), que liga o Morro da Caneleira ao Morro Santa Maria e Caminho São Jorge está sendo considerada pelos moradores uma grande e importante obra, pelos benefícios que trará a comunidade, principalmente para quem utiliza o caminho para chegar à Avenida Nossa Senhora de Fátima. A obra que está sendo realizada pela Prefeitura através da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Ambiental (Sedurbam) e Coordenadoria Regional da Zona Noroeste, solucionará também os problemas de drenagem das águas que descem dos morros pelo Caminho São Jorge. O local, que na verdade era uma trilha, sempre foi utilizado pelos moradores por facilitar o acesso à Avenida Nossa Senhora, sem a necessidade de descer pelo Morro da Nova Cintra, economizando pelo menos 40 minutos de caminhada. Essa construção é uma antiga reivindicação dos moradores e segundo o Departamento de Morros e Zona Noroeste, a obra é de difícil realização devido à dificuldade ao acesso. A escada está praticamente pronta. SEGURANÇA Para os moradores o fato de já estar podendo utilizar parte da obra é motivo de alegria. "Esse caminho não tinha nenhuma segurança pois por ser íngreme acabava provocando queda de pessoas sempre que chovia", afirmou o comerciante Manoel José Guerra, que também já foi vítima no local. Raudireis Pedro de Souza, que reside no Morro Santa Maria há 9 meses já presenciou a queda de vários moradores, inclusive alguns com ferimentos graves. "Meus quatro filhos e minha esposa sempre utilizam esse caminho e temíamos que acontecesse algo de grave. Agora com a escada todos descem com segurança", lembrando que a comunidade tem colaborado com a Prefeitura na realização da obra. Também feliz a dona de casa, Josefa Fontes Nazário, que utiliza o caminho para fazer compras no supermercado, afirmou: "Agora não corro risco de vida. Tudo ficou melhor, principalmente à noite pelo fato de sabermos por onde estamos caminhando, o que não acontecia antes", argumentou.