Conteúdo

Defesa Civil articula últimos ajustes para simulado em Santos

25 de julho de 2019
17h 26
carros de miniatura estão em mapa com membros da defesa civil em volta da mesa #pracegover

A Defesa Civil do Estado e Município estarão nesta sexta-feira (26) no Macuco para fazer o reconhecimento da área onde acontecerá um grande simulado de acidente, envolvendo cerca de 400 pessoas e 20 veículos oficiais. O evento acontecerá sábado, às 9h, nas imediações das ruas Ari Vieira Barbosa, Dr. Bezerra de Menezes e José André do Sacramento, com o vazamento do produto químico amônia após colisão entre carro de passeio e carreta.

Os ajustes finais da operação foram acertados nesta quinta-feira (25), na sede da Codesp, com checagem das atribuições, incluindo quantidade de pessoas e recursos que serão disponibilizados, e um treinamento chamado de ‘exercício de mesa’, no qual o mapa do bairro e miniaturas de viaturas e de pessoas auxiliaram os envolvidos a visualizar o cenário do simulado. Marcaram presença representantes da Prefeitura (CET, Secretarias de Meio Ambiente, Segurança Pública – Guarda Civil Municipal, de Saúde e Desenvolvimento Social), Polícia Militar, autoridade portuária, Plano de Ajuda Mútua do Porto (PAM), Cetesb, Corpo de Bombeiros, empresas portuárias e de atendimento.

No preparatório, algumas mudanças de posicionamento de viaturas e ações foram realizadas. “Por isso, é importante determinar os espaços porque, de repente, uma viatura não conseguirá passar em algum trecho e aqui nós adequamos isso”, explica a capitão Fernanda Rafaela Lourenço, da Defesa Civil do Estado, uma das articuladoras do treinamento. E foi essa noção percebida pelo enfermeiro e responsável pela atividade técnica do Samu, Washington da Cruz, que aprovou o treinamento em mesa. “Estou com uma visão amplificada do que vai acontecer porque observei como será a atuação dos outros serviços. Eu tinha meu plano próprio de ação, mas agora o meu se alinha com os demais”, disse ele, que, a partir do exercício, fez várias alterações: rota de fuga das ambulâncias, posicionamento do posto médico avançado e local de acesso.

TEMPO DE RESPOSTA

Conforme a capitão Rafaela explica, em uma ocorrência real não será possível saber detalhes, porém este trabalho de integração entre as instituições melhora o resultado final das operações. “É fundamental para todos se conhecerem, saberem o papel de cada um, como funciona o acionamento e o fluxograma. Os ganhos que isso gera em um simulado são positivos para as ocorrências reais e melhoram o tempo resposta”.

O intuito do evento será transmitir informações sobre os produtos químicos utilizados na rotina das atividades portuárias e retroportuárias e analisar o tempo de resposta aos atendimentos realizados pelos órgãos. Segundo o coordenador da Defesa Civil de Santos, Daniel, Onias, o bairro Macuco foi escolhido por abrigar três empresas que trabalham com amônia e ter histórico de pequenos vazamentos nesta região. “É importante preparar a população, que fica preocupada com os acidentes, e informá-la dos riscos a que está exposta”.

A ação é considerada inédita e foi programada pela Defesa Civil de Santos e Plano de Ajuda Mútua (PAM) do Porto de Santos (órgão coordenado pela autoridade portuária), visando aproximar empresas portuárias e população. Em anos anteriores, já ocorreram simulados de menor porte com, no máximo, 150 envolvidos.

Preparo do cenário para acidente deve começar 7h

No dia do evento, os responsáveis de cada órgão estarão no local do simulado a partir das 7h, onde receberão rádios portáteis da Defesa Civil do Estado para logo depois iniciarem o posicionamento do cenário. O acidente fictício começará às 9h na Rua José André do Sacramento, que ocasionará vazamento do produto e quatro vítimas. Por estar em contato com o ar, o produto se espalhará e os moradores das casas do entorno receberão orientação para desocupá-las e se dirigirem à escola municipal Auxiliar da Instrução.

Haverá atendimento de vítimas da colisão e também de um cidadão próximo ao acidente, que terá um mal súbito por inalar o produto. O simulado terá participação de aproximadamente 300 pessoas cadastradas para a remoção das residências e de mais cerca de 100 envolvidas diretamente na elaboração da operação, segundo levantamento da Defesa Civil do Estado.

A área da ocorrência incluirá a Praça Rubens Ferreira Martins e ruas adjacentes, além de imediações das vias Ari Vieira Barbosa, Dr. Bezerra de Menezes e José André do Sacramento. Serão analisados tempo de resposta para situações como a comunicação da ocorrência, chegada das equipes, atendimento às vítimas, contenção do produto, bloqueio de vias, desocupação de casas, entre outras situações.

A previsão é de que o encerramento termine até meio-dia. O evento terá como convidados autoridades de Meio Ambiente das esferas municipal, estadual e federal, Defesa Civil, secretários estaduais e municipais, vereadores e imprensa.

PALESTRA

Após o simulado, a comunidade será convidada a participar de uma palestra com especialista na igreja para receber orientações sobre riscos e cuidados relacionados ao contato com o produto químico amônia.

Também haverá prestação de serviços com orientações gerais e serviços sobre saúde e animais.

Confira as alterações no trânsito aqui.

Fotos: Isabela Carrari e divulgação

Galeria de Imagens

caminhão de miniatura está no mapa e pessoas em volta da mesa #pracegover
técnicos analisam mapa #pracegover
técnicos analisam mapa #pracegover