Conteúdo

Convênio faz inventário de resíduos na praia

22 de janeiro de 2019
13h 05

O Programa de Combate às Fontes de Contaminação Marinha por Resíduos Sólidos realizou, nesta segunda-feira (21), um inventário para identificar a origem do lixo encontrado nas praias.

O trabalho, inédito, consistiu na delimitação de sete áreas ao longo da faixa de areia, da Ponta da Praia até o José Menino (emissário submarino), cada uma delas com dez metros de largura, indo da calçada até a linha de preamar.

Todos os resíduos encontrados nesses espaços, na maior parte embalagens plásticas ou de papelão, serão catalogados para identificar o perfil de consumo e a origem do resíduo.

“Banhistas descartam itens como latinhas, bitucas e canudos. Já as populações que vivem em palafitas têm outro perfil de descarte”, explica Gabriela Otero, da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe).  

 

SEM CUSTO

 

A Abrelpe, ao lado da Agência de Proteção Ambiental da Suécia (SEPA) e da International Solid Waste Association (ISWA), uma entidade sem fins lucrativos que atua junto à ONU, são os parceiros da Secretaria de Meio Ambiente (Semam) no Programa de Combate às Fontes de Contaminação Marinha por Resíduos Sólidos. 

O inventário, que conta também com a participação do Instituto Ecofaxiona, também será feito nas áreas de mangue. “Dessa forma, teremos um cruzamento de informações e um perfil claro da origem desses resíduos”, explica o secretário Marcos Libório. 

A próxima etapa da parceria internacional consiste na apresentação de um plano de ação e de comunicação, a ser trabalhado pela Semam, para a região da orla e das áreas de palafitas. Também estão previstas capacitações para os servidores municipais. 

Todo esse trabalho, que incluiu uma visita de representantes da Semam à Suécia, em novembro último, não tem custo para a Prefeitura. O convênio com a SEPA, a Abrelpe e a ISWA foi assinado em 5 de junho de 2018, Dia Mundial do Meio Ambiente.