Conteúdo

Casal de idosos comemora dia dos namorados no cecon isabel garcia

11 de junho de 2001
0h 00

Os últimos quatro anos têm sido mais do que especiais para o casal Manoel Agostinho dos Santos e Isaura Antunes dos Santos. Para eles, que se conheceram no Centro de Convivência para a Terceira Idade Isabel Garcia, comemorar o Dia dos Namorados é algo que não deve seguir a regra do dia 12 de junho. Temos de comemorar todos os dias, sempre que possível, principalmente por estarmos felizes, diz ele, que aos 74 anos orgulha-se por ter encontrado a companheira ideal depois de tantas fases difíceis na vida. Para Isaura, que tem 68 anos, estar com Agostinho também merece comemoração independente do Dia dos Namorados. O que importa é viver bem, um compreender o outro e ser feliz. Se pudesse dar um conselho aos jovens casais diria exatamente isso: vivam, aproveitem, parem de se separar tanto e aprendam a buscar a felicidade. Agostinho e Isaura estão juntos desde 1997. Ele conta que quando chegou no centro de convivência estava muito triste e sem ânimo para viver. Tinha perdido um filho e minha esposa. Tudo era uma decadência enorme. Com o tempo, e depois de muito conversar com o pessoal do Isabel Garcia, comecei a melhorar e participar das atividades. Em uma delas conheci Isaura, que também era viúva. Começamos a namorar e estamos juntos até hoje. Segundo ele, o fato de dois idosos estar namorando ainda é algo que provoca muitas críticas. As pessoas acham que porque a gente tem idade deve de ficar só, se conformar. Acontece que a solidão e a depressão são coisas muito tristes e que ninguém merece. Exatamente por pensarem da mesma forma, depois de algum tempo os dois resolveram morar juntos. Acho que ficamos mais ou menos um ano vivendo juntos. Aí ele resolveu oficializar a situação e nos casamos, diz Isaura. Para Agostinho a decisão pelo casamento teve uma explicação simples: Achei que era mais bonito ser casado. Afinal, como eu ia apresentá-la para os meus filhos, meus amigos? Como minha amiga? Ontem, Dia dos Namorados, eles passaram boa parte do tempo no centro de convivência, participando dos preparativos finais para a festa junina que acontece hoje, a partir das 14 horas. Combinaram de não trocar presentes, de apenas passear. Mesmo assim, diz Isaura, sempre é bom ganhar presente. Nem que seja uma flor.