Conteúdo

Aluna de escola municipal de Santos prepara publicação de poesias autorais

10 de setembro de 2019
15h 29

As poesias escritas por Michelle dos Santos Souza, 14 anos, aluna do 9º ano da escola municipal Dr. José da Costa e Silva Sobrinho, no Piratininga, vão integrar um livro de poesias com temas como feminismo, racismo e empoderamento.

A jovem já soma dezenas de textos que integrarão a publicação, que já tem nome escolhido. “Muita gente próxima a mim costuma dizer ‘Avoa, menina’. Então, meu livro se chamará Avoa. Me sinto um pouco como uma borboleta, durante muito tempo sofri bullying, era uma pessoa muito presa. Depois que iniciei as poesias, fui me abrindo, acho que a libertação de uma borboleta de um casulo representa essa minha nova fase”.

Nesta segunda-feira, a autora mirim foi recebida pelo prefeito Paulo Alexandre Barbosa. Acompanhada de sua mãe, a jovem – que mora na ‘Vila dos Criadores’, no bairro Alemoa – comentou que a ideia do livro surgiu a partir de um fanzine poético escrito por ela, contendo seis poesias autorais.

“Fui escolhida para representar todos os alunos municipais durante a cerimônia de abertura da 31º Semana da Educação, realizada no mês passado. Aproveitei e comentei, lá no microfone, sobre meu fanzine. A partir daí, muitas pessoas me incentivaram a juntar minhas poesias em uma publicação”.

Para o prefeito, Michelle é um referencial para sua geração. “Fiquei muito feliz em ver sua postura e conhecer sua história. Para nós é um desafio muito grande, são 83 escolas, mais de 40 mil alunos, os profissionais da educação desenvolvem um trabalho árduo e quando a gente conhece talentos como você, para nós é motivo de muita satisfação. É sinal de que o trabalho feito tem alcançado resultados, você é um grande exemplo e, com certeza, irá inspirar muitos outros”.

TALENTO

De acordo com ela, seu principal hobby é a escrita e a leitura. “Desde muito nova gosto de ler e escrever, a partir daí comecei a me destacar em concursos de redação. Mas o impulso mesmo foi quando resolvi participar de batalhas de poesia falada na minha escola. O desejo foi crescendo em mim, de ser uma escritora e lançar meu livro”.

A aluna percebe sua influência entre os colegas de escola. “Sou aquela que na classe, os colegas pedem ajuda, me chamam para seus grupos de trabalhos. Sou a ‘nerd’, mas eu gosto disso, vejo que eles me admiram e eles veem um potencial em mim que muitas vezes não vi. Eles me motivam, me chamam de poeta, isso me deixa extremamente feliz e realizada”.

A secretária de Educação, Cristina Barletta, destaca a importância de bons exemplos para influência de jovens. “Ela serve como espelho para jovens da geração dela. Em uma época em que muitos estão voltados à cultura digital, extremamente ligados nas redes sociais, uma Michelle aparece, interessada na leitura, muito atenta a tudo o que acontece no mundo literário, participante de batalhas de versos e de eventos culturais. É muito bacana”.