Conteúdo

Redes sociais da Prefeitura inovam com descrição de imagens

29 de março de 2016
14h 39

“Um grupo de pessoas conversa na areia da praia, em um cenário de céu amarelado que se destaca a silhueta preta de cinco árvores. Ao fundo, a imagem de um morro”. O texto é apenas um exemplo da descrição de uma foto que ilustra uma notícia veiculada nas redes sociais e no site da Prefeitura.

A descrição das imagens é uma das novidades que a Secretaria de Comunicação e Resultados (Secor) passou a adotar desde o último dia 17 nos seus canais oficiais de comunicação.

No site (www.santos.sp.gov.br), a explicação da foto aparece quando o cursor do mouse passa sobre a fotografia. Já no Facebook, o texto descritivo pode ser acessado pela hashtag pracegover (#pracegover).

De acordo com o Censo do IBGE de 2010, Santos tem 69.368 deficientes visuais. Desse total, 10.648 apresentam grande dificuldade de visão. Com o uso da descrição, um cego ou uma pessoa com baixa visão consegue compreender o significado da imagem mediante o uso de software (programa de informática) específico que traduz o texto em áudio.

Entre os sistemas operacionais que permitem o cego utilizar o computador e ter acesso ao conteúdo informativo, o DOSVOX é um dos mais conhecidos. Ele possibilita o desempenho de uma série de tarefas, fazendo com que a pessoa tenham um alto nível de independência de estudo e trabalho.

“Já existe tecnologia para a leitura pelos cegos. O que é necessário é capacitar os profissionais para produzirem materiais nos formatos compatíveis ao sistema. Os canais de comunicação também precisam estar remodelados para que todas as pessoas possam acessá-los, independentemente da deficiência”, explicou o secretário Rivaldo Santos.

“A nossa meta é fazer com que a Comunicação da Secor seja 100% acessível até o final de 2016", acrescentou.

Audiodescrição

A inovação já ganhou o apoio de internautas e representantes dos Conselho Municipal dos Direitos das Pessoas com Deficiência (Condefi). Para Daniel Monteiro, deficiente visual e membro do Condefi, a Prefeitura está no caminho certo.

Ele avalia que a descrição de imagens é um ponto de partida para o uso da técnica conhecida como Audiodescrição. “O sistema será aperfeiçoado com a prática, mas tenho gostado do trabalho realizado”, avalia.

Atualmente, todos os filmes, campanhas e comerciais editados pela Prefeitura têm as falas e narrações legendadas para acessibilidade dos deficientes visuais. A partir da segunda quinzena de abril, a Secor também irá incluir a Audiodescrição nas produções.

No próximo dia 7, servidores da secretaria irão participar de oficina sobre tema, ministrada por profissional especializada na técnica.

De acordo com a definição da Fundação Dorina Nowill, instituição que há 70 anos atua na inclusão social de pessoas com deficiência visual, a Audiodescrição é um recurso de acessibilidade que permite que as pessoas com deficiência visual possam assistir e entender melhor filmes, peças de teatro, programas de TV, exposições, mostras, musicais, óperas e outros, ouvindo o que pode ser visto. “É a arte de transformar aquilo que é visto no que é ouvido”.

Diário Oficial

Ainda este ano, a versão digital do Diário Oficial do Município terá nova programação para ficar plenamente acessível aos softwares de leitura. O projeto está sendo desenvolvido pela Secor, Secretaria de Defesa da Cidadania (Secid) e Secretaria de Gestão (Seges) com apoio do Condefi. Há dois meses os técnicos da Prefeitura trabalham na compatibilidade de linguagens de informática.

O presidente do Condefi, Luciano Marques, elogiou as inovações da Prefeitura que poderão servir de exemplo para os demais municípios brasileiros. “Santos está de parabéns pela iniciativa. Quando falamos em acessibilidade, logo pensam no cadeirante, mas esse direito abrange um número maior de pessoas”

Foto: Anderson Bianchi