Conteúdo

Painéis destacam projeto nacional e marinas públicas

25 de abril de 2012
18h 00

O exemplo bem-sucedido em Belém abriu a tarde desta quinta-feira (26) os painéis no Seminário Internacional - Revitalização de Áreas Portuárias e Integração Urbana, realizado no Teatro Guarany, no Centro Histórico, e que reuniu mais de 300 participantes, entre empresários, estudantes e interessados no tema. Outro painel enfocou a importância das marinas públicas.

Inaugurado em 2000, o projeto Estação Docas de Belém foi apresentado pelo arquiteto Gustavo Leão, da Secretaria de Estado da Cultura do Pará. Segundo ele, dos 12 armazéns da área portuária, três foram revitalizados, recebendo áreas verdes, museus, espaço gastrômico, anfiteatro, centro de convenções e polo de artesanato. "Nossa missão era criar um complexo de turismo e lazer e optamos por trabalhar em três temáticas: artes, gastronomia e feiras".

O prefeito João Paulo Tavares Papa ressaltou o pioneirismo da iniciativa. "Belém é um marco neste setor para o Brasil, pois foi a primeira cidade a consolidar este trabalho, em efetivo funcionamento há 12 anos, que transformou a cidade e deu acesso à população ao espaço portuário".

O projeto santista, Porto Valongo Santos, também busca revitalizar a região portuária, mas com o diferencial de contar também com marina pública. O tema foi tratado no painel A importância econômica, cultural e esportiva das marinas públicas nos projetos de revitalização portuária, com a participação do empreendedor de expedições marítimas Amir Klink, o velejador Lars Grael e o engenheiro naval Manoel Chaves.

Eles mencionaram projetos desenvolvidos de forma sustentável e que trouxeram ganhos ambientais, sociais e econômicos, gerando empregos, multiplicando riquezas e melhorando a qualidade de vida nas cidades onde estão instaladas. "Na Cidade do Cabo, na África do Sul, havia problemas de degradação de todas as ordens. A revitalização portuária transformou a cidade e hoje é exemplo de progresso para o continente. O projeto Porto Valongo Santos tem tudo para se consagrar como um dos mais importantes para a América do Sul", afirmou Amir Klink.

O engenheiro Manoel Chaves, há 35 anos na área, disse que os reflexos do empreendimento serão sentidos em todo país. "O sucesso do projeto de Santos vai espalhar os benefícios das marinas pelo Brasil inteiro. Teremos impactos na qualidade de vida com empregos direitos e indiretos na construção naval, hotelaria, turismo, restaurante e muitos outros".

Lars Grael compartilha deste pensamento. Segundo ele, nos países com melhores índices de IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) a cultura náutica está mais avançada, citando o exemplo de Valência, na Espanha, que se tornou polo de eventos esportivos. "A cultura náutica deve ser democratizada. A população precisa ter acesso aos esportes, como remo e canoagem. Por isso, a importância de um seminário como este, onde podemos debater soluções para o desenvolvimento de forma sustentável. Santos hoje é sinômino de progresso e qualidade de vida. Estou convencido que o futuro da cidade está ligado ao projeto Porto Valongo Santos".

Também estiveram presentes o capitão de portos de São Paulo, Gerson Luis Silva, e o secretário municipal de Assuntos Portuários, Sérgio Aquino.