Conteúdo

Fábrica Cultural mostra produção no Teatro Coliseu

1 de dezembro de 2015
15h 31

Balé, violino, violão, dança de rua, teatro e mangá são alguns dos 25 cursos do projeto Fábrica Cultural que apresentaram os resultados do ano de trabalho no Teatro Coliseu, na segunda-feira (30). Reunidos no espetáculo Santos - Fábrica de Talentos, 420 alunos realizaram intervenções, peças e cenas em homenagem aos 470 anos da Cidade, seus personagens e lugares.

A noite contemplou artistas de diferentes faixas etárias, da Fábrica e dos Portos de Cultura, como por exemplo uma garota de 4 anos do balé e um senhor de 84 anos da dança de salão

Primeira

A apresentação dos estudantes de violino ocorreu no foyer (recepção).  Vinícius Mendes, Guilherme da Silva Jonas e Ana Carolina Lopes dos Santos se apresentaram pela primeira vez com os colegas de curso. Para Vinícius, que começou no curso este ano, “é bem interessante demonstrar para a comunidade o que aprendemos. Bem legal”.

 “Acho muito importante esta iniciativa. Serve para mostrar que a Prefeitura, por meio da Secult, investe nos jovens e nos idosos também, demonstrando que é possível fazer cultura e que temos muitos talentos aqui na região”, ressaltou Guilherme, que além de cursar violino, está interessado nas aulas do coral.

 “Interessante a junção que essa apresentação está proporcionando. É importante o público ver esses vários tipos de artes juntas e exibir que temos essas modalidades aqui, e que isso precisa ser apreciado”, declarou Ana Carolina. 

Público

Com pais, parentes e amigos, o público lotou o teatro. “É muito legal prestigiar os grupos da cidade em um espaço histórico como o Coliseu. Além de ser um encontro em família”, disse Luara Spínola, que foi acompanhada pelo marido e o filho, de apenas um ano de idade, para assistir a Tia Tereza se apresentar com o Coral. 

Conheça

A Secult, por meio do Departamento de Formação e Pesquisa Cultural (Deforpec), oferece cursos e oficinas artísticas gratuitas por meio dos programas Fábrica Cultural, com atividades no Cais Milton Teixeira e no Centro de Cultura Patrícia Galvão, na Vila Mathias, e nos ‘Portos de Cultura’, distribuídos por diversos bairros da Cidade.

O Fábrica Cultural é dividido em quatro núcleos: Artes Integradas, Artes Visuais (desenho, pintura e mangá), Música (violão, violino, viola, violoncelo, piano, teclado, teoria e percepção musical) e Artes Cênicas (teatro, dança esportiva e dança em cadeira de rodas). 

Outras opções oferecidas pelo projeto são as Oficinas Livres de Bordado da Ilha da Madeira, Dança de Salão, Dança de Rua, Dança de Rua Infantil, Dança Circular, Ritmos Brasileiros, Balé para Adultos, Laboratório do Movimento (dança contemporânea) e Capoeira.

Já os Portos de Cultura têm a proposta de descentralização da cultura, levando diversos cursos a equipamentos como o Centro Turístico, Esportivo e Cultural do Morro São Bento, a Biblioteca Plínio Marcos (Caruara) e o Centro Cultural da Zona Noroeste.

No ano que vem, os Centros Culturais da Vila Nova, Morro da Penha e Vila Progresso, que atualmente estão em fase de construção, também recebem os cursos e oficinas administrados pelo Deforpec.

Foto: Anderson Bianchi