Conteúdo

Crise econômica pode melhorar turismo local no verão

30 de novembro de 2015
15h 34

A instabilidade econômica brasileira pode ser importante aliada para incrementar o turismo em Santos durante a temporada de verão, que começa oficialmente nesta terça-feira (1º) para o setor e se prolonga até o dia 29 de fevereiro. “A crise tem afastado os interessados das viagens para o exterior e os pacotes para o Nordeste estão caros em função da grande procura”, comentou o secretário de Turismo Luiz Guimarães.

Ele acredita que, com esse panorama, haverá maior interesse por roteiros de praia mais próximos, o que beneficiará Santos, grande polo receptor de turistas do Estado de São Paulo. No último fim de semana prolongado pelo feriado do Dia da Consciência Negra, por exemplo, as estimativas da rede hoteleira giravam em torno de 64% de ocupação em 16 estabelecimentos. 

“Mas a taxa fechou em 69%”, frisou Luiz Guimarães, comentando o aumento da presença de famílias de visitantes na cidade, o que acabou por compensar a redução do turismo corporativo nos últimos meses, como reflexo da crise financeira nacional. 

E as perspectivas são de uma temporada de verão melhor do que a passada. Na última sexta, em reunião com hoteleiros locais, estabelecimento de alto padrão já estava com toda a sua capacidade de acomodação reservada.

Temporada de cruzeiros

O secretário também está otimista quanto aos resultados da temporada de cruzeiros marítimos, que começou no último dia 8 e prosseguirá até abril. É que muitos hotéis estimam alcançar 50% de ocupação com cruzeiristas interessados em chegar a Santos pelo menos um dia antes do embarque ou em permanecer na cidade após a viagem de navio.

Além disso, prosseguiu Luiz Guimarães, o total de navios em trânsito passou de sete para 10, o que aumenta a possibilidade de turistas, sobretudo estrangeiros, circulando e consumindo na cidade. Ele ainda comentou o resultado de estudos realizados pela Fundação Getúlio Vargas em relação à temporada 2014-2015, que estimaram a criação de 32 mil empregos diretos e indiretos no país. “Santos é a capital dos cruzeiros marítimos e, certamente, mais de metade desse total diz respeito a Santos e à baixada.”

Foto: Francisco Arrais