Conteúdo

Programa de atendimento à população de rua em Santos fortalece vínculos

18 de julho de 2019
17h 56

“Sem palavras para agradecer, não só por mim, mas por todo esse povo que está aí fora. Noto que a procura pelo serviço assistencial aumentou do ano passado para cá; o pessoal está querendo uma oportunidade. Acredito que as pessoas nas ruas começaram a enxergar e admirar mais o trabalho. Quem me conheceu e me olha agora não acredita na diferença; é esta mensagem que pretendo passar: de que é possível mudar” (Emerson, 46 anos, viveu um ano nas ruas, foi acolhido na Casa de Inverno em 2018 e continua o atendimento em um dos abrigos da Prefeitura)

 

Mais de 7 mil atendimentos à população de rua, 10 mil abordagens sociais em toda a Cidade, 431 recâmbios (retorno à cidade de origem), além de ampliação de equipe,  novas iniciativas e o engajamento gradativo da sociedade. Este é o balanço do primeiro ano do Programa Novo Olhar, da Prefeitura, celebrado nesta sexta-feira (19).

A comemoração, com bolo de aniversário para pessoas atendidas, no início da noite, na Casa de Inverno. Antes, às 15h, haverá a doação de cinco camas e cinco colchões de uma empresa de móveis para um dos abrigos municipais destinados a adultos, idosos e famílias (Seabrigo AIF), que funciona na Rua Manoel Tourinho, 352, Macuco.

Entre os vetores trabalhados no programa, o destaque deste primeiro ano é a busca pela empatia da sociedade em relação à situação vivida por quem está nas ruas. O projeto ‘Diálogos para um Novo Olhar’ já envolveu mais de 200 participantes que vão desde funcionários da própria Prefeitura até grupos da comunidade em um trabalho educativo e de conscientização sobre o tema com palestras, reuniões, rodas de conversa e atividades articuladas com diferentes segmentos.

“Incentivamos a reflexão, tirando dúvidas sobre o trabalho executado pela Prefeitura, oferecendo visitas aos serviços, falando sobre os direitos desse público, além de esclarecermos sobre o funcionamento de serviços como o Consultório na Rua, da Secretaria de Saúde, e os acolhimentos e abrigos municipais”, explica o secretário de Desenvolvimento Social, Carlos Mota. De acordo com ele, qualquer grupo interessado no tema pode solicitar uma atividade pelo e-mail novoolhar@santos.sp.gov.br

Participante do projeto, Cláudia Hansted Baganha, 52 anos, integra um grupo de auxílio a este tipo de população há seis anos e, a convite dos técnicos da Secretaria de Desenvolvimento Social, foi conhecer de perto os serviços prestados. A partir daí, se tornou parceira, encaminhando as pessoas que aceitam ser ajudadas.

“Várias vezes recorri à equipe de abordagem para socorrer moradores; com alguns obtivemos sucesso com ajuda e perseverança da equipe. Sempre participamos das palestras e, assim, conseguimos andar lado a lado com o programa Novo Olhar que, ao meu ver, é sucesso e diferenciado”, relata a munícipe.

 

ABORDAGENS APRIMORADAS

 

De acordo com a Secretaria de Desenvolvimento Social, o aumento de uma equipe nas ruas durante o dia neste primeiro ano está garantindo um salto qualitativo no trabalho dos operadores sociais, com a divisão de tarefas para os tipos de atendimento.

“Uma das seis equipes fica responsável por atender às demandas que chegam através do telefone 0800 177766 (ligação gratuita e 24h) e outras demandas específicas; as outras ficam concentradas em estabelecer os vínculos de confiança com as pessoas em situação de rua, o que envolve tempo e bastante conversa. Desta forma, todos podem acompanhar os casos com maior atenção", explica a Coordenadora de Atenção Social à População em Situação de Rua, Miriam Araújo.

Para agilizar e facilitar o trabalho das equipes foi criado o Persist (Projeto de informatização da equipe de abordagem social) em parceria com a Secretaria de Gestão, para aprimorar o sistema on-line de gerenciamento de informações criado em 2015. Desde fevereiro, as equipes utilizam tablets para terem acesso ao sistema RIS Web. Com essa ferramenta, o programa Novo Olhar está apostando também na ‘ficha de abordagem digital’ ainda em teste.

Se aprovada, substituirá as fichas em papel geradas pelos operadores sociais, além de permitir a análise dos dados e perfil desta população de forma contínua, viabilizando estudos comparativos com os dados levantados pelos censos.

 

INVERNO AQUECIDO

 

Como parte do programa, a Operação Baixas Temperaturas visa o trabalho reforçado neste período do ano. Para acolher a população, a Casa de Inverno está disponibilizando, desde o ano passado, um canil para receber com segurança animais de estimação de quem está em situação de rua. Com apoio da Secretaria de Meio Ambiente, os animais recebem ração e cuidados pontuais.

"Acho esse lugar perfeito e a maneira que a equipe trabalha conosco está sensacional. Eu me sinto em casa aqui”, relata Marcos, de 34 anos, que viveu por cinco meses nas ruas da Cidade e está acolhido na Casa de Inverno. “Sofri muito no frio e na chuva. Na rua existe muito preconceito. Me sentia sozinho porque você acaba ficando invisível para a sociedade; senti isso na pele”.

Nos serviços, agasalhos e cobertores, cedidos pelo Fundo Social de Solidariedade e também pela Cruz Vermelha Brasileira Filial Santos, são distribuídos para quem passa as noites em vulnerabilidade. Para o presidente da entidade, Reinaldo Coelho Medeiros Júnior, o Novo Olhar oferece atenção humanizada, dando maior possibilidade de transformação social. “Oferecer ajuda de uma forma digna é realmente uma nova forma de olhar essas pessoas. Se necessário saímos em busca das que estão em situação de risco, expostas ao frio. É um verdadeiro mutirão”.

 

NOVO CENTRO POP

 

A inauguração em janeiro do novo Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop), à Rua Amador Bueno, 446, no Paquetá, marcou outro passo importante do programa. O novo edifício tem quatro pavimentos, incluindo subsolo, possui 900 m² e é três vezes maior que a unidade antiga.

O público atendido encontra banho, lanche, vestiário com fraldário, refeitório com área de convivência e jogos, armários para serem guardados pertences e quatro baias para cães, como já existe na Casa de Inverno. O local oferece também sala de informática e de cinema.

 

ADESÃO

 

No início deste ano, houve uma oficina fotográfica oferecida pelo repórter fotográfico francês Willian Wartel, com pessoas atendidas nos equipamentos públicos. O trabalho, em caráter voluntário, teve o objetivo de elevar a autoestima dos participantes. Para aderir a essa iniciativa, outras pessoas podem acessar o site Novo Olhar. No portal, há informações atualizadas sobre os serviços voltados à população em situação de rua em Santos, assim como os projetos em andamento, formas de participar e denunciar violações de direito. Para entrar em contato com o programa, outras formas são o e-mail novoolhar@santos.sp.gov.br e o WhatsApp (013) 99158-7115.

 

Projeto de pesquisa e extensão está na segunda etapa

 

Em outubro próximo, deve ficar pronta a pesquisa fruto de parceria entre a Prefeitura e a Universidade Federal de São Paulo, que envolverá o novo censo da população em situação de rua na Cidade. Em julho e agosto, ocorre a preparação do formulário do censo e construção do banco de dados. Já em setembro e outubro será feito o treinamento dos recenseadores e a aplicação do levantamento.

Segundo a gestora do programa Novo Olhar, Juliana Laffront, o censo de 2013 apontava cerca de 800 pessoas vivendo nas ruas e, segundo ela, o número pode aumentar devido a uma tendência mundial sobre esse fenômeno social, que está ligada diretamente ao aprofundamento da desigualdade social, ao desemprego, assim como à ruptura dos vínculos familiares e comunitários.

“Esses diferentes fatores impactam diretamente no aumento do número de pessoas vivendo nessa condição. Em Santos, em períodos sazonais, de verão e de inverno, há também a tendência de aumento dessa população na Cidade, pois há um público flutuante, os trecheiros, que migram de outras regiões do País por serem lugares mais frios, por exemplo”, comenta a gestora.

Galeria de Imagens

Mulher lê folder com informações sobre o programa Novo Olhar. #Pracegover
Material informativo orienta sociedade sobre serviços à população de rua - Foto: Isabela Carrari/arquivo
Fachada do novo Centro Pop. #Pracegover
Sede do novo Centro Pop - Foto: Susan Hortas/arquivo