Prevenção

Conheça o ciclo de casos da doença e o que fazer para reduzí-los.

Ver Mais »

Tratamento

Com mais variações da doença, veja qual o tratamento mais recomendado.

Ver Mais »

Combate

Ações da Prefeitura de irradicação da doença na cidade.

Ver Mais »

Mapa

Veja onde estão espalhadas as armadilhas pela Cidade

Ver Mais »

Prevenção

Clique nas dicas

E saiba o que você pode fazer no seu dia a dia para se prevenir contra o mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya.

Prevenção

Drone ajuda na busca

A Prefeitura de Santos inovou e está utilizando um drone para sobrevoar locais inacessíveis aos agentes da dengue, em busca de possíveis criadouros do mosquito aedes aegypti. O equipamento facilita o direcionamento das ações da Secretaria de Saúde no combate à doença.

Prevenção

Reconheça o Aedes

A fêmea do mosquito Aedes aegypti é a transmissor da dengue, da febre chikungunya e da zika. Ela não nasce com os vírus, mas se contamina ao picar pessoas infectadas e, a partir daí, infectar outras que estejam saudáveis. Em áreas endêmicas para as três doenças, um único exemplar do mosquito pode estar contaminado com as três doenças. Por isso, é de extrema importância a preservação da limpeza dos ambientes para evitar que o Aedes aegypti prolifere.

O mosquito é estritamente urbano e bastante adaptado ao ambiente doméstico. Mede aproximadamente um centímetro, tem cor café ou preta e listras brancas no corpo e nas patas. Como voa baixo, pica com mais frequência pés e tornozelos. O mosquito tem uma substância anestésica na saliva, por isso, na maioria dos casos, as pessoas não percebem o momento em que foram picadas.

O macho se alimenta exclusivamente de frutas. A fêmea, no entanto, necessita de sangue para o amadurecimento dos ovos. Próprio das regiões tropical e subtropical, não resiste a baixas temperaturas nem a altitudes elevadas.

O ciclo de vida compreende quatro fases - ovo, larva, pupa e adulto – e se completa em apenas 10 dias. O ovo mede cerca de 0,4 milímetro e se confunde com uma simples poeira. Uma fêmea do mosquito Aedes aegypti pode dar origem a 1.500 mosquitos em toda a sua vida, mas não faz a desova em um só lugar. Ao distribuir os ovos em diversos criadouros, ela garante a dispersão e a preservação da espécie. Geralmente, o Aedes aegypti vive 30 dias.

Os ovos são depositados em locais com água parada, ambiente ideal para que, após a eclosão as larvas se desenvolvam. A limpeza é extremamente importante mesmo em locais secos. Os ovos adquirem resistência ao ressecamento muito rapidamente, em apenas 15h após a postura. A partir de então, podem resistir a longos períodos de dessecação – até 450 dias, segundo estudos. Esta resistência é uma grande vantagem para o mosquito, pois permite que os ovos sobrevivam por muitos meses em ambientes secos, até que o próximo período chuvoso e quente propicie a eclosão.

Originário da África Tropical e introduzido nas Américas durante a colonização, o mosquito foi amplamente disseminado nas Américas, Austrália, Ásia e África.

Tratamento

Dengue em três tipos


Clique e veja os graus da doença

Dores de Cabeça
Dores nos olhos
Manchas pelo Corpo
Dores nas Juntas
Sonolência
Hemorragia
Sangramento de Mucosas
Dores Musculares
Vômitos Persistentes
Insuficiência Respiratória
Hipotermia
Prostração
Pressão Baixa
Desconforto Respiratório
Dor Abdominal Intensa

Sintomas e Fases

Assim que os primeiros sintomas surgirem, é preciso procurar um serviço de saúde para evitar que a doença se agrave. O mais recomendável é que os pacientes façam repouso, reposição dos líquidos (água, sucos naturais ou chá) e aliviem a febre com dipirona ou paracetamol. Não se deve usar medicamentos que contenham ácido acetilsalicílico. Na maioria das vezes, o doente demora uma semana para ficar bem. Porém, o cansaço e a falta de apetite podem demorar até 15 dias para sumir. A recuperação costuma ser total.

Sorotipos

A dengue é uma doença que pode ser causada por quatro tipos de vírus, conhecidos por números: tipo I, tipo II, tipo III e tipo IV. A pessoa que se contamina com um desses vírus adquire imunidade. Ou seja, se voltar a ter contato com aquele sorotipo, não ficará doente. Dessa forma, uma pessoa pode ter dengue, quatro vezes.

Porém, esses vírus podem ou não circular ao mesmo tempo em uma localidade. Dessa forma, se um local passou alguns anos com a predominância de um desses sorotipos, é capaz que na incidência de outro que havia deixado de circular, o número de pessoas doentes aumentem, especialmente as mais jovens, já que não tiveram contato com o vírus que retomou a sua circulação no local.

Exames

Há três exames que podem ser utilizados para identificar a dengue: a prova do laço, a contagem das plaquetas e a contagem dos glóbulos vermelhos. A prova do laço é um exame de consultório. Com uma borrachinha, o médico prende a circulação do braço do paciente e vê se há pontos vermelhos sob a pele, que indicariam uma eventual hemorragia. Os outros testes são feitos por meio de uma amostra de sangue em laboratório.

Tratamento

Zika Vírus

O Zika vírus também é transmitido pelo Aedes aegypti e o diferencial em relação à dengue é a conjuntivite e febre baixa. Os demais sintomas são dor de cabeça, dores musculares e manchas avermelhadas. A letalidade para o zika é baixa e os sintomas desaparecem espontaneamente em um período que varia de 3 a 7 dias. No entanto, a artralgia pode persistir por aproximadamente um mês.

Existem ainda pessoas que se infectam com o vírus mas não apresentam qualquer sintoma. O tratamento para a doença é baseado no uso de acetaminofeno (paracetamol) para febre e dor, conforme orientação médica. Não está indicado o uso de ácido acetilsalicílico e drogas anti-inflamatórias devido ao risco aumentado de complicações hemorrágicas, como ocorre com a dengue.

Não há registro da circulação do zika vírus em Santos.O Zika vírus também é transmitido pelo Aedes aegypti e o diferencial em relação à dengue é a conjuntivite e febre baixa. Os demais sintomas são dor de cabeça, dores musculares e manchas avermelhadas. A letalidade pro zika é baixa e os sintomas desaparecem espontaneamente em um período que varia de 3 a 7 dias.No entanto, a artralgia pode persistir por aproximadamente um mês.

Existem ainda pessoas que se infectam com o vírus mas não apresentam qualquer sintoma. O tratamento para a doença é baseado no uso de acetaminofeno (paracetamol) para febre e dor, conforme orientação médica. Não está indicado o uso de ácido acetilsalicílico e drogas anti-inflamatórias devido ao risco aumentado de complicações hemorrágicas, como ocorre com a dengue.

Não há registro da circulação do zika vírus em Santos.

A letalidade para o zika é baixa e os sintomas desaparecem espontaneamente. Diferencial em relação à dengue é a conjuntivite e febre baixa.

Tratamento

chikungunya Vírus

A febre chikungunya é uma doença causada por vírus do gênero Alphavirus, transmitida por mosquitos do gênero Aedes, sendo o Aedes Aegypti (transmissor da dengue) e o Aedes Albopictus os principais vetores. Em Santos, não há Aedes Albopictus.

Os sintomas são parecidos com os da dengue, sendo o diferencial asdores nas articulações de forma bilateral e simultânea (ou seja, se o joelho esquerdo dói, o direito também; por exemplo). Essas dores, porém, perduram por tempo indeterminado. Em algumas pessoas, duram dias, em outras, meses e até anos. As pessoas acometidas pela febre chikungunya ficam incapacitadas de realizar suas atividades de rotina e as que são economicamente ativas, precisam ser afastadas do trabalho, já que a doença requer repouso absoluto. Os demais sintomas são febre; dor de cabeça; manchas avermelhadas; dores musculares. A letalidade é mais baixa que a dengue, sendo considerada rara pela Organização Pan-Americana de Saúde.

Não existe tratamento específico para a febre chikungunya. Os sintomas são tratados com medicação para a febre (paracetamol) e as dores articulares (antiinflamatórios). Não é recomendado usar o ácido acetil salicílico (AAS) devido ao risco de hemorragia. Recomenda‐se repouso absoluto ao paciente, que deve beber líquidos em abundância.

Não há registro da circulação do vírus da febre chikungunya em Santos.

Diferencial são as dores nas articulações de forma bilateral e simultânea. As pessoas acometidas pela febre chikungunya ficam incapacitadas de realizar suas atividades e precisam ser afastadas do trabalho.

tratamento

Tratamento das doenças

Policlínica

Recorrer em situações emergenciais e agravamentos da doença

O serviço pode ser ainda procurado nos horários em que as policlínicas estão fechadas – períodos noturno e madrugada

Pronto socorro

Recorrer em situações emergenciais e agravamentos da doença

O serviço pode ser ainda procurado nos horários em que as policlínicas estão fechadas – períodos noturno e madrugada

Combate

Índice de Densidade Larvária

A Secretaria de Saúde realiza,nos meses de janeiro, abril, julho e outubro a avaliação da densidade larvária do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika. O trabalho visa calcular o Índice de Breteau (IB), indicador utilizado para verificar a incidência de larvas na área urbana e que é o responsável por nortear medidas e ações de prevenção e controle.

A atividade é preconizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), Ministério da Saúde e Superintendência de Controle de Endemias (Sucen). As amostras de larvas recolhidas são levadas para laboratório, onde são analisadas em microscópio para identificação das espécies.

De acordo com parâmetro do Ministério, o resultado é avaliado da seguinte forma: menor que 1,0 é satisfatório; de 1,0 a 3,9 é alerta; e acima de 4,0 é alto risco.

Combate

Visitas Casa a Casa

Feito de forma ininterrupta, consiste na visita dos agentes de controle de vetor a todos os imóveis (incluindo também os comerciais). São nessas visitas que os agentes orientam os munícipes quanto às melhores práticas para não gerar criadouros do mosquito Aedes aegypti. Em alguns casos, os agentes também orientam quanto à eliminação de criadouros encontrados.

Vale lembrar que o trabalho dos agentes é orientar a população e não proceder a limpeza, que cabe a cada munícipe providenciar.

O casa a casa segue uma programação pré-estabelecida, de forma que todos os imóveis sejam contemplados. Cada bairro possui uma equipe própria, formada por um agentes de controle de vetor e um encarregado responsável.

Combate

Atividades Educativas

A Prefeitura de Santos mantém um grupo chamado IEC (Informação, Educação e Comunicação) exclusivo para tratar, junto à população, das questões relacionadas ao mosquito Aedes aegypti.O trabalho desse grupo também é ininterrupto.


Estandes

Instalado em locais de grande circulação de pessoas, o estande do IEC tem como objetivo conscientizar os municípes quanto à prevenção da dengue, do chikungunya e da zika – ou seja, o controle do Aedes aegypti.

Além da entrega de folders, as ações do IEC nos estandes envolvem a explicação do ciclo de vida do mosquito e às melhores práticas para manter o ambiente livre de criadouros.

Atividades nas Escolas

O IEC Dengue possui um programa especialmente voltado às crianças. De forma lúdica, elas aprendem a como prevenir a proliferação do Aedes aegypti e se tornam multiplicadoras da informação em sua casa e na comunidade em que vivem.

A programação inclui bate-papos para tirar dúvidas dos alunos e dos educadores, filmes educativos, recursos multimídia e materiais educativos. Bonecos gigantes do mosquito Aedes aegypti (um macho e uma fêmea) também são utilizados para sensibilizar ainda mais os estudantes, especialmente os mais jovens.

Para solicitar as atividades em sua escola, telefone para 3257-8036 ou envie um e-mail para iecdengue@santos.sp.gov.br.

Para empresas e condomínios

O IEC Dengue mantém ainda um conteúdo voltado ao esclarecimento de dúvidas por parte de empresas e condomínios. Seja no formato de palestras com conteúdo multimídia ou por meio de bate-papo, os adultos também são sensilbilizados a manter em ordem o espaço onde trabalham ou residem. As empresas e condomínios utilizam esse programa inclusive para capacitar suas equipes de limpeza.

Para agendar uma palestra ou um bate-papo, telefone para 3257-8036 ou envie um e-mail para iecdengue@santos.sp.gov.br.


Combate

Vistorias e multas

A cidade de Santos possui amparo legal para punir quem não contribui para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti.

Por meio da lei 681/2010, a Prefeitura de Santos pode notificar proprietários de imóveis em que foram localizados criadouros ou potenciais criadouros do mosquito Aedes aegypti a realizarem, dentro de determinado prazo, as medidas que se mostrarem cabíveis para a eliminação de qualquer situação que represente risco à saúde pública.

No caso do não cumprimento, o proprietário é multado. O valor da pena varia de R$ 500,00 a R$ 5 mil, dependendo do tipo do imóvel. Em caso de reincidência a multa dobra. Se houver uma terceira vez, triplica em relação ao valor da multa original.

Outra medida é o ingresso forçado aos imóveis particulares onde a permissão não for possível, seja por recusa ou ausência do responsável. Isso sempre ocorrerá após intimação, informando a data da visita.

É de responsabilidade dos proprietários manter o imóvel limpo e livre de criadouros do mosquito Aedes aegypti. Os terrenos baldios, obras paradas, casas desabitadas, entre outros, devem ser limpos periodicamente. Denuncie imóveis com risco para saúde pública. Em caso de irregularidade, a Prefeitura vistoria os terrenos, intima e multa os proprietários.

Consulte a lei

Disque Dengue

0800 770 6869

3226-8680

Mapa

CUIDADOS REDOBRADOS NAS ÁREAS

O poder público possui grandes aliadas no controle de infestação do mosquito Aedes aegypti: as 461 armadilhas espalhadas pela Cidade, das quais 22 na área portuária. As armadilhas são estruturas que atraem as fêmeas do mosquito, que utilizam o local para depositar os seus ovos. Porém, ao fazê-lo, são presas e morrem. Semanalmente, os agentes de controle de vetor vistoriam as armadilhas e fazem a contagem das fêmeas de Aedes aegypti capturadas. Quanto mais fêmeas encontradas, maior a infestação naquela área.Os resultados da vistoria definem os locais dos próximos mutirões (inserir hiperlink). Os munícipes podem conferir como está a infestação de Aedes aegypti na Cidade por meio do Mapa de Capturas.

Clique aqui

Mitos e Verdades


A picada do mosquito é a única forma de transmissão da dengue, da febre chikungunya e do zica vírus?

Sim, a dengue não é transmitida por pessoas, objetos ou outros animais.

É verdade que somente a fêmea do mosquito Aedes aegypti pica as pessoas?

Sim, pois é a fêmea que necessita do sangue em seu organismo para amadurecer seus ovos e assim dar sequência no seu ciclo de vida.

As larvas do mosquito só se desenvolvem em água limpa?

Não. Já são conhecidos casos de larvas que se desenvolvem em água suja. Ou seja, o ideal é remover qualquer situação que possa gerar acúmulo de água.

Como a pessoa reconhece o mosquito Aedes Aegypti?

O Aedes é parecido com o pernilongo comum. Ele pode ser identificado por algumas características: corpo escuro e rajado de branco.

De onde veio o mosquito Aedes Aegypti?

É originário da África Tropical, e foi introduzido nas Américas durante a colonização. Atualmente encontra-se amplamente disseminado nas Américas, Austrália, Ásia e África.

Qualquer inseticida mata o mosquito Aedes aegypti?

Sim, porém a aplicação de inseticidas atua somente sobre a forma adulta do mosquito, surtindo efeito momentâneo com poder residual de pouca duração.

Uma pessoa infectada pode passar a doença para outra?

Não há transmissão por contato direto de um doente ou de suas secreções para pessoas sadias. A pessoa também não se contamina por meio de fontes de água, alimento ou uso de objetos pessoais do doente de dengue.

É possível distinguir a picada do Aedes Aegypti com a de um mosquito comum?

Não. A sensação de eventual coceira ou incômodo é semelhante à picada de qualquer outro mosquito.

Todo Aedes Aegypti transmite a dengue, a febre chikungunya e o zika vírus?

Não, apenas os infectados. O mosquito só transmite as doenças se tiver contraído os vírus. Vale lembrar que um mesmo mosquito pode contrair mais de uma doença e transmiti-las simultaneamente.

Todo mundo que é picado pelo mosquito Aedes Aegypti fica doente?

É preciso que o mosquito esteja infectado com os vírus, seja da dengue, da febre chikungunya ou do zika.

Uma pessoa pode confundir a dengue com gripe forte? Como saber a diferença?

Sim. A melhor forma de se ter certeza é procurando um médico e realizando exames.

Quem já teve dengue uma vez pode ser contaminado novamente, ou fica imune?

Estudos indicam que uma pessoa doente de dengue fica imune para sempre, com relação ao sorotipo que determinou a infecção. Além disso, por alguns meses, ela fica protegida para qualquer dos sorotipos de dengue. Passado este tempo, se ela se contaminar por outro tipo de vírus, diferente daquele que se contaminou antes, poderá ter comprometimento do quadro clínico e desencadear a dengue hemorrágica.

A pessoa que já tive dengue uma vez pode desenvolver uma dengue mais grave?

Sim. Qualquer um dos 4 sorotipos da dengue pode causar uma dengue mais grave. A probabilidade de manifestações hemorrágicas é menor em pessoas infectada pela primeira vez. Portanto, pessoas que contraem dengue mais de uma vez apresentam maior chance de complicações do quadro clínico.

O repelente funciona? Quantas vezes deve ser aplicado por dia?

Os repelentes possuem ação limitada e não eliminam o mosquito, apenas o mantém distante.

A partir de que momento é necessário procurar um médico?

A partir dos primeiros sintomas.

Qual é o tratamento para dengue, febre chikungunya e zika?

A pessoa doente deve repousar e ingerir bastante líquido (água, sucos naturais ou chá), evitando qualquer tipo de refrigerante ou suco artificial. Antitérmicos e analgésicos que contém em sua fórmula ácido acetilsalicílico, devem ser evitados, pois têm efeitos anticoagulantes e podem causar sangramentos.

Qual é o tempo de cura para estas doenças?

Dengue: a febre costuma durar de três a oito dias e pode causar pequenas bolhas vermelhas em algumas regiões do corpo, como pés, pernas e axilas. Na maioria das vezes, o doente demora uma semana para ficar bom. Porém, o cansaço e a falta de apetite podem demorar até quinze dias para sumir. A recuperação costuma ser total.

Febre chikungunya: não há tempo determinado para a melhora das dores nas articulações. Há registro de pessoas que ficam bem em dias, outras após meses e algumas permanecem debilitadas por anos. A recuperação depende da forma como o organismo reage. Zika: A evolução geralmente é benigna e a cura leva de 3 a 7 dias para ocorrer.

O uso de inseticida contra o mosquito pode torná-lo imune ao produto?

Sim, pode.

Velas e incensos ajudam a espantar o Aedes Aegypti?

Velas de citronela ou andiroba têm efeito paliativo. Isto porque o raio de alcance e a duração são restritos.

A solução de água sanitária com água limpa nas plantas é eficiente?

Não, é necessário substituir bromélias e plantas deste tipo por outras que não acumulem água em suas folhas.

Ar condicionado e ventiladores matam o mosquito?

Não. A temperatura mais baixa do ambiente apenas inibe a ação do mosquito, que passa a ter mais dificuldade para detectar onde a presença da vítima.

Basta secar os locais para matar os ovos do mosquito?

Não. O ovo pode manter-se vivo por mais de um ano sem água, por isso é preciso limpar o local e remover toda e qualquer sujeira. Vale lembrar que o ovo do Aedes aegypti mede cerca de 0,4 mm, o que não permite a olho nu identificá-lo como um ovo.

Borra de café na água das plantas mata os ovos?

Não há comprovação da eficácia do uso desse produto. O ideal é eliminar água dos pratos, lavá-los com bucha e sabão semanalmente para eliminar qualquer possibilidade de resíduo ou colocar areia.

A água de piscinas pode servir de criadouro para o mosquito?

Se a água estiver bem tratada e com a concentração recomendada de cloro, o mosquito não se desenvolve.

Tomar vitamina B afasta o mosquito?

Não é considerada uma medida eficaz. O afastamento do mosquito pelo cheiro de quem faz a ingestão da vitamina é algo temporário e a efetividade varia de acordo com o metabolismo da pessoa, podendo não ter efeito algum.