Conteúdo

Com recorde de vacinações, Santos imuniza 14,9 mil pessoas contra a gripe em Dia D

4 de maio de 2019
17h 53

Um total de 14.886 pessoas imunizadas. Esse foi o saldo do dia D da campanha de vacinação contra a gripe, realizado neste sábado (4) em 22 policlínicas e quatro postos volantes. O número é recorde em um dia só de imunização no Município.

Com o resultado, Santos aplicou, desde 10 de abril, 55 mil doses. A prioridade é vacinar crianças de 6 meses até 6 anos (5 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), idosos (mais de 60 anos), pessoas com comorbidades (hipertensos, diabéticos etc.), profissionais de saúde, de segurança pública e do sistema prisional e professores.

Quem não conseguiu comparecer aos postos no dia D, pode ir até 31 de maio, de segunda a sexta-feira, das 9h às 16h, nas 30 policlínicas da Cidade.

“Sempre tomo a vacina e tenho uma gripe a cada cinco ou seis anos. É muito eficaz”, disse a aposentada Mauriceia Ramos, de 69 anos. O ambulante Isaías Pereira, 60, contou que é a segunda vez que se imuniza. “É prevenção e é gratuito. Depois que a casa cai, não adianta. Tem que tomar, não tem desculpa.”

A chefe de Departamento de Vigilância e Saúde, Ana Paula Valeiros, que acompanhou o dia D, destacou que, mesmo sem a carteira de vacinação, o munícipe pode comparecer aos postos, pois receberá um comprovante. Ela declarou que não deve tomar a vacina quem possui alergia grave a ovo, histórico de anafilaxia ou quem teve Síndrome de Guillain-Barré até 30 dias após receber a dose anterior, necessitando de avaliação médica para liberação da dose. A dose também não é indicada para pessoas com doenças febris agudas, que deverão adiar a aplicação até melhora do quadro.

A profissional informou que o público-alvo prioritário da campanha em Santos é formado por 131 mil pessoas, com meta de imunizar pelo menos 90% desta população (117 mil pessoas).

 

Segurança

A vacina é produzida pelo Instituto Butantan e protege contra os vírus A (H1N1), A (H3N2) e B (Victoria). As doses são feitas de vírus inativos, fragmentados e purificados. Portanto, não contêm vírus vivos e não causam a doença. Por isso, Ana Paula pede que todos que têm a indicação compareçam aos postos. “As pessoas acham que as doenças mais graves diminuíram, mas foi por causa justamente da imunização. E, se não houver continuidade, as enfermidades voltam”.

 

Documentos

Para a vacinação, é preciso apresentar documento de identificação com foto (RG ou CNH, por exemplo) ou certidão de nascimento (no caso de crianças), além de crachá ou documento de identificação profissional (trabalhadores da saúde, de segurança, do sistema prisional e professores) e declaração ou receita médica dos últimos três meses para comprovar a doença crônica ou condição especial. Também é recomendado levar carteira de vacinação e Cartão SUS.

 

Exemplo

Diante do número recorde de pessoas imunizadas em um único dia em Santos, o secretário de Saúde, Fábio Ferraz, entende que a campanha realizada na Cidade servirá de referência para outras localidades. "A população compreendeu a importância da vacinação e é exemplo para a Região, o Estado e o Brasil na prevenção ao vírus".

 

Foto: Raimundo Rosa