Prefeitura Municipal de Santos


  • 13 SET 17
    Santos investe em mobilidade e avança em ações sustentáveis Atualizado em: 13 set 2017 às 03h
    Homem pedala em bicicleta sobre a ciclovia da orla. Na lateral direita da imagem se vê o jardim florido e, ao fundo, barracas de praia. #pracegover

    A mobilidade urbana é uma das áreas em que Santos se destaca para fazer jus ao status de Cidade Sustentável.

    Além de uma malha de ciclovia em permanente ampliação como forma de incentivar a troca do carro pela bike, o Município também investe no transporte público de qualidade com o VLT e ônibus produzidos com tecnologias modernas e que reduzem ou têm nível zero de emissão de poluentes e de geração de ruído.

    Hoje, a linha 20, que liga a Praça Mauá ao Centro da Cidade, é uma referência nesse sentido. Também conhecida por operar com os famosos e antigos trólebus, nos últimos meses ganhou duas novidades das mais avançadas.

    A mais recente é o ônibus 100% elétrico alimentado por duas baterias. Silencioso, é um dos únicos exemplares em circulação no País – foi inclusive exposto em evento nacional sobre transporte público, realizado em agosto na Capital. 

    O veículo tem autonomia para rodar até 220 km com a carga completa. Para recarga das duas baterias que armazenam a energia, é ligado direto na tomada – um tipo de transformador instalado na garagem. Em no máximo 4 horas, está reabastecido para voltar a operar, sem a queima de combustível que tanto polui o ambiente.         

    HÍBRIDO

    A outra novidade com tecnologia mais ecológica que a Cidade conta é o ônibus híbrido (movido a óleo diesel e energia elétrica), que opera na mesma linha 20 desde maio último. O motor elétrico funciona quando o veículo está parado ou em baixa velocidade (até 20km/h).

    A recarga se dá a cada frenagem. A partir dos 20km/h, entra em operação o motor a diesel. O combustível gasto com o sistema híbrido, de acordo com o fabricante, é reduzido em torno de 35%, o que implica não só em economia, mas também em menor lançamento de poluentes no ar.   

    CONVENCIONAL

    A própria frota convencional de coletivos da Cidade também contribui para Santos preservar sua reconhecida qualidade de vida. Composta por 305 ônibus (número de julho/2017), tem idade média de 4 anos, muito melhor que a média nacional. Levantamento do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças), divulgado em maio último (referente a 2016), revelou o envelhecimento da frota circulante no País. No caso dos ônibus, a idade média apurada é de 9 anos e 11 meses.  

    AVANÇO COM VLT  

    A chegada do Veículo Leve sobre Trilho (VLT) àBaixada Santista, cuja primeira fase foi concluída em janeiro deste ano, foi mais um avanço de Santos em transporte público moderno, eficiente e de qualidade. Elétrico, não-poluente, o sistema adotado em várias cidades da Europa tem baixo nível de ruído.

    Também contribui para reduzir a poluição sonora, já que diminui a circulação de ônibus no meio urbano. Cada trem em operação no VLT regional, que liga Santos a São Vicente, tem capacidade para 400 passageiros, correspondente a sete ônibus.

    A fase 1 compreende 11,5km de extensão, com 15 estações entre as duas cidades e é utilizada por cerca de 22mil passageiros diariamente. A etapa 2, que fará a conexão da primeira com a região central de Santos, deve ser licitada ainda este ano pelo governo estadual.  

    DUAS RODAS   

    Mesmo buscando sempre a modernização do transporte, o Município não abre mão de outro tipo de veículo que serve a essa função e também ao lazer: a bicicleta. Em uma década, entre 2006 e 2016, a Cidade aumentou em quase quatro vezes a extensão da sua malha cicloviária, passando de 9,7km para 43,3km – sem incluir outros 4,3 km em fase de construção.

    O incentivo ao transporte sob duas rodas foi além do investimento em obras e incluiu o programa de uso compartilhado, o Bike Santos. Implantando em 2012, o sistema ultrapassou este ano a marca de 1,5 milhão de viagens e soma cerca de 120 mil usuários cadastrados. São 37 estações distribuídas pela Cidade, com total de 370 bicicletas para utilização dentro de normas estabelecidas.

    Também há bicicletários espalhados pela área urbana e o incentivo à instalação em locais de elevada concentração de público, como universidades e shoppings, além de a legislação municipal exigir espaços para essa finalidade em novos projetos de grandes empreendimentos.  

    INFANTIL

    Para desenvolver desde de cedo, de forma correta e consciente, o uso da chamada ‘magrela’, a Prefeitura implantou o Bike Kids, de empréstimo gratuito para o público infantil. Quatro estações funcionam ao longo da orla e uma na Zona Noroeste, disponibilizando 50 mini bicicletas para a garotada – três a 10 anos. O projeto já ultrapassou a 6 mil cadastrados e teve quase 11 mil retiradas.   

    Foto: Susan Hortas

    Trólebus 20 em trajeto pela Avenida Ana Costa. O veículo está na pista praia/Centro e passa em frente à Prodesan. #pracegover

    Raimundo Rosa/Arquivo

    Trólebus 20 em trajeto pela Avenida Ana Costa. O veículo está na pista praia/Centro e passa em frente à Prodesan. #pracegover
    O ônibus elétrico. #pracegover.

    Raimundo Rosa/Arquivo

    Trólebus 20 em trajeto pela Avenida Ana Costa. O veículo está na pista praia/Centro e passa em frente à Prodesan. #pracegover
    Em primeiro plano, uma bicicleta do Bike Santos presa à estação na Praça Mauá e, ao fundo, o ônibus híbrido. #pracegover

    Isabela Carrari/Arquivo

    Trólebus 20 em trajeto pela Avenida Ana Costa. O veículo está na pista praia/Centro e passa em frente à Prodesan. #pracegover
    Estação do Bike Kids em frente ao Jardim Botânico Chico Mendes. #pracegover

    Trólebus 20 em trajeto pela Avenida Ana Costa. O veículo está na pista praia/Centro e passa em frente à Prodesan. #pracegover


TOPO